03:28 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Militantes do braço armado do Hamas na Faixa de Gaza (arquivo)

    Hamas faz concessões e aceita Estado palestino com fronteiras de 1967

    © REUTERS / Ibraheem Abu Mustafa
    Oriente Médio e África
    URL curta
    17226
    Nos siga no

    O movimento de resistência islâmica Hamas divulgou nesta segunda-feira uma versão atualizada do seu programa político admitindo, pela primeira vez, a criação de um Estado palestino limitado às fronteiras de 1967.

    "Sem comprometer sua rejeição à entidade sionista e sem renunciar a quaisquer direitos palestinos, o Hamas considera o estabelecimento de um Estado palestino totalmente soberano e independente, com Jerusalém como sua capital e ao longo das fronteiras de 4 de junho de 1967, com o retorno dos refugiados e deslocados para as suas casas", escreveu o grupo em sua página na internet.

    No documento, o Hamas diz ser "totalmente ilegal" o estabelecimento de Israel, mas explica que sua luta não é contra o povo judaico em geral, uma vez que a mesma não tem caráter religioso. 

    "O Hamas não luta contra os judeus porque eles são judeus, mas luta contra os sionistas que ocupam a Palestina. No entanto, são os sionistas que constantemente identificam o judaísmo e os judeus com seu próprio projeto colonial e sua entidade ilegal."

    Ao aceitar as fronteiras de 1967, o radical Hamas se aproxima da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), liderada por Mahmoud Abbas, que se encontrará com o presidente dos EUA, Donald Trump, na próxima quarta-feira, para discutir em nome dos palestinos uma resolução para o conflito com os israelenses.

    Mais:

    Parlamentares israelenses votarão bloqueio de indenizações a 'mártires' palestinos
    Israel propõe acordo de troca de território e população com palestinos
    Palestinos advertem Trump quanto às consequências em abandonar a solução de dois estados
    Tags:
    islamismo, judaísmo, sionismo, OLP, Hamas, Mahmoud Abbas, Donald Trump, Jerusalém, EUA, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar