19:22 18 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Tanque turco durante incursão militar na Síria em fevereiro de 2015

    Turquia avisou EUA da operação militar na Síria e no Iraque, só que em cima da hora

    © AP Photo/ Mursel Coban, Depo Photos
    Oriente Médio e África
    URL curta
    373

    Washington foi notificado por Ancara da operação militar turca contra curdos no Iraque e na Síria somente com uma hora de antecedência, informou a emissora CNN, citando uma fonte de alto escalão do Pentágono.

    Mais cedo, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Mark Toner, manifestou preocupação com os ataques turcos no norte da Síria e do Iraque. Ele destacou que a agressão foi realizada sem "uma devida coordenação com os EUA" e a coalizão internacional que combate o Daesh. 

    Mais tarde, em uma entrevista, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou à Reuters ter informado os países parceiros, entre estes a Rússia, os EUA, bem como o Curdistão iraquiano, do início da operação.

    Segundo a fonte da emissora, os conselheiros norte-americanos e da coalizão internacional não estavam em áreas próximas da realização da operação turca.

    "Esses ataques aéreos não foram aprovados pela coalizão de combate com o Daesh e resultaram em tragédias e baixas entre os nossos parceiros no combate com o Daesh, inclusive entre os combatentes peshmerga curdos", declarou o representante oficial do Pentágono, Adrian Rankin Galloway.

    O comando militar turco informou nesta terça-feira a morte de 70 combatentes curdos durante ataques aéreos contra as posições das Unidades de Proteção Popular curdas (YPG) no nordeste da Síria do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), proibido na Turquia, no norte do Iraque.

    Ancara considera as YPG uma organização terrorista, ligada ao PKK. Em função disso, Turquia repetidas vezes criticou os EUA por fornecer armas aos curdos sírios, que são considerados aliados no combate aos Daesh por Washington.

    Após o conflito armado entre a Turquia e o PKK ter sido retomado em julho de 2015, 900 militares e policiais turcos morreram em ataques dos curdos, bem como mais de 300 civis. Segundo os dados do ministério de Defesa da Turquia, no mesmo período mais de 10 mil militantes do PKK foram eliminados pelas tropas de Ancara.

    Mais:

    'Damasco tem 100% de certeza de que os terroristas obtiveram as armas químicas na Turquia'
    Curdos afirmam que podem libertar Raqqa sem a ajuda dos turcos
    Futuro da Síria 'depende da cooperação e confiança entre os militares russos e turcos'
    Turquia: PKK reivindica assassinatos de funcionários do partido de Erdogan
    PKK derruba caça F-16 da Turquia
    Tags:
    curdos, Unidades de Proteção Popular (YPG), Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Pentágono, Mark Toner, Recep Tayyip Erdogan, Curdistão, Curdistão iraquiano, Iraque, Síria, EUA, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik