11:44 22 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro russo Dmitry Medvedev

    Premiê russo: ataque à base aérea síria desatou as mãos aos terroristas

    © Sputnik/ Dmitry Astakhov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ataque norte-americano contra base aérea síria (82)
    61142122

    O premiê russo Dmitry Medvedev considerou o incidente com alegado uso de armas químicas em Idlib como uma provocação cuidadosamente planejada que beneficia, entre outros, também o governo dos EUA.

    O ataque à base aérea da Síria realizado pelos EUA "desatou as mãos aos terroristas do Daesh" (organização terrorista proibida na Rússia e muitos outros países). Washington está lutando contra o poder político na Síria e não contra o terrorismo, disse Medvedev.

    Ele sublinhou que o ataque dos EUA à base aérea síria de Shayrat, que foi realizado como resposta ao alegado uso de armas químicas pelo governo da Síria, não foi autorizado pela ONU. É uma violação do direito internacional, é um "ato de agressão militar", disse o premiê.

    "Não sabemos o que acontecerá no futuro. Mas eu sei com certeza absoluta quem ganhou com este ato de agressão. Quem? O Daesh, porque assim lhes desataram de fato as mãos com essas decisões", disse Medvedev.

    Na noite da quinta (6 de abril) para sexta-feira (7), os Estados Unidos lançaram, sem mandato do governo sírio ou da ONU, 59 mísseis de cruzeiro Tomahawk contra a base aérea de Shayrat, de onde, segundo os oficiais americanos, em 4 de abril teria sido efetuado um ataque químico contra a população civil, alegadamente por parte das forças de Bashar Assad.

    Tema:
    Ataque norte-americano contra base aérea síria (82)

    Mais:

    Iraque: Daesh usou armas químicas contra o exército em Mossul
    Ex-general sírio acusa Assad de esconder centenas de toneladas de armas químicas
    Damasco: centenas morreram em ataque dos EUA contra depósito de armas químicas do Daesh
    Tags:
    armas químicas, Daesh, Dmitry Medvedev, Shayrat, Idlib, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik