21:15 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1119
    Nos siga no

    Em seu blog, o colunista independente Seth Frantzman revela como, em sua opinião, a edição The New York Times de fato "apoiou o Daesh na Síria" em uma das suas recentes matérias, apelando para que Trump deixasse de combater esta organização terrorista.

    O artigo, escrito pelo jornalista Thomas Friedman e intitulado "Por que Trump está lutando contra Daesh na Síria", afirma que o presidente dos EUA, Donald Trump, deve permitir que o Daesh seja uma "dor de cabeça para Assad, Irã, Hezbollah e Rússia".

    Além disso, o colunista traça um paralelo entre o grupo islamista "com traços de nazismo", sendo que este trava uma política de genocídio em relação aos yazidis, e os mujahidin que "os EUA encorajaram a derramar sangue russo". Vale ressaltar que os EUA, com efeito, gastaram centenas de milhões de dólares em apoio aos mujahidin.

    O autor do artigo, publicado no The New York Times, começa sua matéria se perguntando: "Por que o nosso objetivo hoje em dia deve ser derrotar o Daesh na Síria? Claro que o Daesh é detestável e deve ser erradicado. Mas será que é realmente do nosso interesse nos estarmos focando agora somente em derrotar o Daesh?"

    Base aérea de Shayrat vista em 7 de outubro de 2016 por um satélite dos EUA
    © AP Photo / DigitalGlobe/Departamento da Defesa dos EUA via AP
    Além disso, Friedman afirma que o Daesh "está controlando áreas no Iraque ocidental e grandes setores na Síria. Seu objetivo é derrotar o regime de Bashar Assad na Síria, bem como seus aliados russos, iranianos e do Hezbollah, e derrotar o regime xiita pró-iraniano no Iraque, substituindo ambos por um califado".

    Porém, o blogueiro rebateu, observando que não há evidências que o Daesh tenha gasto a maior parte dos seus recursos na luta contra Assad. Em vez disso, assinala Frantzman, ele gastou a maior parte dos recursos no combate contra os curdos, na perseguição de minorias, explosão de santuários e lugares históricos, bem como crimes contra a humanidade de toda a espécie.

    Além disso, "o Daesh minou a rebelião síria ao lutar contra outros grupos rebeldes na Síria", realçou.

    De fato, o autor do artigo em questão diz abertamente que os EUA não devem facilitar o trabalho aos outros países assumindo o papel de líder na causa. Assim, Friedman diz:

    "Poderíamos simplesmente nos afastar do combate territorial contra o Daesh na Síria e torná-lo um problema apenas do Irã, da Rússia, do Hezbollah e de Assad. Afinal, foram eles mesmos que ultrapassaram o limite na Síria, não fomos nós [os EUA]. Façam-nos travar uma guerra em duas frentes — contra os rebeldes moderados por um lado e contra o Daesh por outro. Se os EUA derrotassem o Daesh na Síria agora mesmo, apenas reduziríamos a pressão sobre Assad, o Irã, Rússia e Hezbollah, lhes permitindo alocar todos os recursos para eliminar os restantes rebeldes moderados em Idlib sem partilhar o poder com eles."

    O blogueiro e "adversário" online do autor, por sua vez, desmente tais declarações, adiantando que os maiores grupos que o Daesh tem combatido na Síria ao longo de dois anos e meio são as YPG (Unidades de Proteção Popular) curdas e as Forças Democráticas Sírias. Porém, Friedman, o jornalista do NYT, prefere simplesmente ignorá-los.

    Como prova, o jornalista independente publica uma captura de tela com um mapa no qual se vê que a frente de combate mais extensa que o Daesh tem é com os curdos (entre a zona amarela — curda — e negra, ou seja, jihadista). As fronteiras com as zonas controladas por Assad, por sua vez "são deserto aberto", por isso "Assad não investiu recursos sérios na luta contra o Daesh", bem como o Daesh também não o fez contra ele.

    Mapa no qual se vê que a frente de combate mais extensa que o Daesh tem é com os curdos
    Mapa no qual se vê que a frente de combate mais extensa que o Daesh tem é com os curdos

    Frantzman se indigna, dizendo que "é difícil acreditar que isto tenha aparecido no maior jornal ‘mainstream' do país". O jornalista se pergunta se "ninguém aprendeu que a tragédia do Afeganistão se deu, em certa parte, por causa do apoio dos americanos que se foram, abandonando os mujahidin e permitindo que o Talibã se apoderasse do Afeganistão".

    O blogueiro faz questão de lembrar que o Daesh não representa um islamismo "moderado", não é como a Irmandade Muçulmana ou o Hamas, nem mesmo como a Frente al-Nusra (Al-Qaeda na Síria).

    "Eu estive há pouco em Qaraqosh no Iraque e vi o que o Daesh fez às igrejas lá, onde ele as destruía sistematicamente. Este é o rosto do Daesh", partilha o blogueiro e publica um vídeo gravado por ele próprio.

    Ele também destaca que a abordagem da edição é, não meramente "cínica", mas igual a "dizer que os EUA deveriam ter abrandado a pressão contra os nazis para deixar sangrar a União Soviética".

    Mais:

    Daesh insulta presidente norte-americano
    Daesh atacou exército sírio simultaneamente com raide norte-americano
    Trump conta a Xi Jinping sobre ataque contra base aérea síria ao comer sobremesa
    Trump chama Assad de 'animal' apoiado pela Rússia
    Tags:
    mídia, artigo, Guerra Civil Síria, Talibã, Daesh, The New York Times, Bashar Assad, Donald Trump, Afeganistão, Irã, Rússia, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar