13:25 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Militante da Frente al-Nusra com a bandeira do grupo na província de Idlib, Síria

    Rússia suspeita que os EUA pretendem usar a Frente al-Nusra para derrubar Assad

    © AP Photo/ Al-Nusra Front Twitter page
    Oriente Médio e África
    URL curta
    152496293

    A Rússia continua a manifestar suspeitas de que os EUA protegem o grupo terrorista Frente al-Nusra para tentar derrubar o presidente sírio, Bashar Assad, disse o chanceler russo, Sergei Lavrov.

    "Eles sempre os trataram com indulgência. Temos persistentes suspeitas, que até o momento ninguém conseguiu dissipar, de que estão protegendo a Frente al-Nusra para, em algum momento, recorrer ao plano B e tentar derrubar pela força o regime de Bashar Assad", disse o ministro, depois de se reunir em Moscou com secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson.

    Lavrov disse que a coalizão internacional liderada pelos EUA "nunca se ocupou de verdade do objetivo para o qual foi criada".

    "Não combateu o Daesh nem a Frente al-Nusra de maneira eficaz, intensa e persistente, até o aparecimento das forças aéreas russas na região", afirmou o chanceler.

    Desde março de 2011, Síria vive um conflito armado em que as tropas do governo enfrentam grupos armados de oposição e organizações terroristas.

    Os EUA, que lideram desde 2014 a coalizão antiterrorista internacional, atacaram as posições dos terroristas na Síria, embora sem o consentimento formal de Damasco.

    Em 30 de setembro de 2015, Moscou, atendendo uma solicitação de Damasco, iniciou ataques aéreos na Síria para impedir a propagação de grupos terroristas.

    De acordo com os dados da ONU, entre 300 e 400 mil pessoas já perderam suas vidas no conflito.

    Mais:

    Deputada síria: em breve EUA darão outro nome à Frente al-Nusra e irão apoiá-la
    Deputado sírio: 'Daesh e Frente al-Nusra não conseguiriam nada sem apoio estrangeiro'
    Frente al-Nusra reivindica assassinato do embaixador russo
    Tags:
    terrorismo, Frente al-Nusra, Rex Tillerson, Sergei Lavrov, Rússia, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik