18:20 21 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    As consequências do ataque de mísseis à Base Shayrat

    Base de Shayrat atacada pelos EUA era um dos aeródromos mais seguros da Síria

    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    Oriente Médio e África
    URL curta
    461031
    Nos siga no

    Aeródromo de Shayrat, que foi seriamente danificado pelos ataques com mísseis de cruzeiro lançados do destróier USS Ross da Marinha dos EUA na madrugada de 7 de abril, era usada ativamente pela Força Aérea da Síria desde o início da guerra civil.

    A sua localização favorável a 38 quilômetros ao sudeste da cidade de Homs, no centro geográfico da parte ocidental do país, permitia à aviação aí estacionada realizar ataques sobre alvos que ficavam não apenas na sua província, mas também perto de Damasco, Hama, Idlib e Aleppo.

    A pista de aterragem de três quilômetros podia ser utilizada por aviões de todos os tipos – desde caças a aviões de transporte pesados. A pista adicional de igual comprimento devia ser usada em caso de destruição da pista principal.

    © Foto /
    Imagens de arquivo da base aérea de Shayrat

    Em outono de 2015, acabou a construção de 45 casamatas no território do aeródromo. Os mísseis Tomahawk danificaram seriamente a infraestrutura terrestre e ambas as pistas. Além disso, foram atingidos reservatórios com combustível. Essa informação foi confirmada por um funcionário do aeródromo.

    "No total morreram 7 pessoas, cinco deles são militares, dois são civis da povoação Shayrat situada perto do aeródromo. Agora estão sendo calculados os danos causados, continuam os trabalhos na infraestrutura. Esperamos que o aeródromo recomece seu funcionamento em breve", comunicou o governador de Homs Talal al-Barazi.

    No aeródromo se baseavam duas esquadrilhas de bombardeiros da Aviação Síria. Além disso, em março e abril aqui esteve temporariamente estacionado um pequeno grupo de helicópteros russos Mi-28N, Ka-52, Mi-8 e Mi-24P. No momento do ataque não havia equipamento militar russo.

    Shayrat era considerado como um objeto bastante bem protegido. Desde o início da guerra que ele praticamente não era atacado, os militantes não conseguiam se aproximar o suficiente.

    "Hoje em dia, a aviação síria pode utilizar cerca de 8-10 aeródromos nos territórios controlados por Damasco. Hoje um deles foi destruído. Isso significa que a atividade das outras bases aumentará significativamente, incluindo a de Hmeymim, onde está posicionada a nossa aviação. Segundo dados recentes, pelo menos 15 caças foram destruídos no aeródromo de Shayrat", comunicou à Sputnik o chefe do Centro da Previsão Militar Anatoly Tsyganok, acrescentando que após isso os pilotos terão uma maior sobrecarga de trabalho e os terroristas tentarão tirar proveito dessa situação.

    Várias horas após o ataque, o Daesh e a Frente al-Nusra começaram uma ofensiva na parte oriental da província de Homs perto de Shayrat, comunicou o representante oficial do ministério da Defesa Igor Konashenkov. Segundo o portal Al-Masdar, os terroristas começaram o assalto dos postos de controle do exército nacional da Síria perto da cidade estratégica de Al Furkala. Os militares conseguiram repelir o ataque. Mas é evidente que os militantes não se irão limitar a esta tentativa.

    Grandes ofensivas contra os aeródromos logo após os ataques aéreos das forças da coalizão já tinham ocorrido antes. Em 17 de setembro, aviões F-16 e A-10 da Força Aérea dos EUA atacaram as posições dos militares sírios perto da base aérea de Deir ez-Zor. Como resultado morreram 62 militares. O Pentágono classificou as ações dos seus pilotos como um engano. Mas um dia depois disso os militantes conseguiram conquistar posições estratégicas na área.

    Mais:

    Embaixador sírio: ataque contra base síria demonstra interação dos EUA com terroristas
    Chanceler russo insiste: é preciso exigir verdade sobre ataques dos EUA na Síria
    Tags:
    objeto, aeródromo militar, pistas, terroristas, destruição, base aérea, mortes, ataque, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar