14:33 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Porta-aviões USS Dwight D. Eisenhower (CVN-69)  dos EUA no Gólfo Pérsico

    Irã aconselha os EUA a abandonar o golfo Pérsico

    © AP Photo / Petr David Josek
    Oriente Médio e África
    URL curta
    29304

    O ministro da Defesa do Irã, Hossein Dehghan aconselha os EUA a abandonar o golfo Pérsico e não importunar os países da região, informa a agência Mehr.

    "O que os norte-americanos estão fazendo no golfo Pérsico? Deverão abandonar essa área para não causarem incómodos aos países da região", cita a Mehr as palavras do ministro.

    "Será aceitável que um ladrão armado entre na casa de alguém esperando um tapete vermelho? É um dos absurdos da época contemporânea", acrescentou.

    As relações entre os EUA e o Irã mudaram completamente após a tomada de posse de Donald Trump. O presidente norte-americano declarou, nomeadamente, que não será tão amável em relação ao país do Oriente Médio como foi seu antecessor — Barack Obama. O novo chefe da Casa Branca tem uma atitude cética perante o acordo nuclear com Teerã, que foi atingido pelos cinco membros permanentes do Conselho da Segurança da ONU e Alemanha em 2015. Conforme o documento, o Conselho da Segurança da ONU levantará as sanções econômicas e financeiras impostas ao Irã em troca da aceitação do caráter pacífico do programa nuclear do país.

    Mais:

    Poderão outros países seguir exemplo do Irã e introduzir sanções contra EUA?
    Rouhani: 'Esforços do Irã e da Rússia ajudam a fortalecer estabilidade global e regional'
    Irã introduz sanções contra 15 empresas norte-americanas
    EUA acusam Irã de colocar navegação em perigo no estreito de Ormuz
    EUA reforçam apoio militar a Arábia Saudita para combater Irã
    Tags:
    programa nuclear iraniano, paz, sanções econômicas, documento, região, presença, conselho, Casa Branca, Conselho de Segurança da ONU, Ministério da Defesa do Irã, Barack Obama, Donald Trump, Hossein Dehghan, Golfo Pérsico, Oriente Próximo, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar