13:13 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fala durante a 69ª Assembleia Geral da ONU

    Israel corta verbas da ONU para retaliar 'discriminação' ao Estado judeu

    © AFP 2019 / DON EMMERT
    Oriente Médio e África
    URL curta
    261213
    Nos siga no

    Israel anunciou nesta quarta-feira (29) um corte de US$ 2 milhões em sua contribuição para o orçamento das Nações Unidas, em retaliação às constantes críticas do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre suas políticas em relação aos palestinos.

    O Ministério das Relações Exteriores israelense emitiu uma declaração condenando "a discriminação obsessiva contra Israel por parte das Nações Unidas e suas agências" para justificar o corte no financiamento.

    O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu "decidiu destinar os dois milhões de dólares à ajuda internacional e ao investimento em países em desenvolvimento que apoiam Israel em organismos internacionais", acrescentou a chancelaria.

    Israel já havia cortado US$ 6 milhões de sua contribuição de US$ 11,7 milhões à ONU na sequência de uma resolução do Conselho de Segurança aprovada em dezembro, a qual condenava a construção de assentamentos israelenses nos territórios palestinos ocupados.

    Na semana passada, o relator especial da ONU para os territórios palestinos, Michael Lynk, acusou Israel de "subjugar a humanidade [dos palestinos]" e de intensificar a repressão contra ativistas de direitos humanos, em um relatório apresentado ao Conselho de Direitos Humanos em Genebra.

    Mais:

    Israel anuncia relações diplomáticas com país que mantém em segredo
    Hamas fecha fronteira com Israel após assassinato de líder militar
    Chega de 'jogos': Governo sírio faz advertência a Israel, prometendo retaliação forte
    Tags:
    financiamento, assentamentos, discriminação, orçamento, contribuição, verbas, Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, ONU, Benjamin Netanyahu, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar