02:41 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Forças governamentais do Iraque em Mossul

    Militar iraquiano: podemos contar os dias que faltam para libertação de Mossul

    © AP Photo / Hussein Malla
    Oriente Médio e África
    URL curta
    173

    O Daesh está quase vivendo seus últimos dias na parte ocidental de Mossul, revelou à Sputnik Árabe o participante da operação militar destinada a libertar Mossul, primeiro-sargento do exército iraquiano Ahmed al-Hazardji.

    "Os militantes matam todos os que tentam fugir do território controlado por eles. Eles posicionaram automóveis cheios de explosivos nos bairros residenciais", declarou Ahmed al-Hazardji à Sputnik Árabe.

    Segundo disse o militar, os militantes fazem regularmente explodir esses carros, matando pessoas inocentes. Isso é feito para haver declarações bombásticas da mídia e, em seguida, as organizações internacionais que protegem os direitos humanos tentarem influenciar o governo para que pare sua ofensiva, pois é isso que provoca as mortes entre os civis.

    De acordo com al-Hazardji, o exército iraquiano está preparado para retomar o controle da parte ocidental de Mossul. Agora está sendo elaborado um plano de salvamento dos civis. Assim, podemos contar os dias que faltam até à libertação de Mossul.

    Os terroristas em Mossul não serão capazes de escapar do exército, pois há Forças de Mobilização Popular de um lado da cidade, e há as tropas conjuntas do outro lado, acrescentou.

    Mais:

    Chanceler russo: Ocidente silencia a dimensão do que está acontecendo em Mossul
    'Tragédias de Mossul são claramente abafadas pela mídia internacional'
    Rússia espera que a coalizão liderada pelos EUA aja de forma responsável em Mossul
    Mais de 100 corpos são achados em Mossul após bombardeio da coalizão internacional
    Tags:
    tropas, bairros residenciais, ofensiva, carro-bomba, libertação, salvamento, civis, combate ao terrorismo, terroristas, militares, Forças de Mobilização Popular, Daesh, Mossul, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar