14:29 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Militares dos EUA em Mossul, Iraque, 23 de novembro de 2016

    Ex-militar: exército dos EUA está frustrado com a longa campanha para recuperar Mossul

    © AFP 2019/ THOMAS COEX
    Oriente Médio e África
    URL curta
    273
    Nos siga no

    Os generais norte-americanos estão irritados com o lento progresso dos esforços da coalizão para libertar Mossul, em uma campanha que está destruindo totalmente a cidade, disse a ex-tenente-coronel das Forças Aéreas dos Estados Unidos, Karen Kwiatkowski, à Sputnik.

    Um porta-voz militar norte-americano disse no início desta semana que os Estados Unidos iriam enviar entre 200 e 300 soldados para o Iraque, com objetivo de ajudar a ofensiva para libertar a cidade de Mossul.

    "Certamente a longa e lenta retomada de Mossul frustrou os generais dos EUA, e eu acho que essa frustração está refletida em ataques e uso de força, que prejudica os civis e terminará destruindo Mossul", disse Kwiatkowski nesta terça-feira.

    Kwiatkowski expressou ceticismo de que as tropas adicionais terão qualquer impacto positivo na campanha da coalizão militar liderada pelos EUA.

    Segundo a interlocutora da Sputnik, a cidade de Mossul foi praticamente destruída. Todos os serviços urbanos foram interrompidos, grande parte da população foi deslocada, e o manejo da crise de refugiados ao redor da cidade não foi planejada pelo exército iraquiano, nem pelos EUA, nem pela ONU. 

    "Essa é a segunda maior cidade do Iraque e uma região produtora de petróleo, que vem sido basicamente desocupada…e se tornou em uma tabula rasa a ser preenchida. Se a política externa dos EUA for mantida em sua direção atual, a reconstrução da cidade será mais um objeto de envolvimento e gastos militares norte-americanos", disse a entrevistada.

    Kwiatkowski supõe que os políticos dos EUA provavelmente buscarão transformar Mossul em um centro de uma das regiões mais ricas em petróleo no mundo. Um centro chave para as atividades dos EUA na região.

    "Estou preocupada com o que está acontecendo: acho que a destruição de Mossul e a falta de cuidado com seus ex-residentes, agora espalhados aos quatro ventos, indicam que os EUA e seus aliados pretendem refazer Mossul, transformar ela em uma cidade-empresa, por assim dizer", alertou a ex-militar.

    Kwiatkowski concluiu que o envio das tropas desta semana provavelmente busou o objetivo imediato de fornecer suporte mais qualificado ao ataques aéreos dos EUA em Mossul, bem como melhorar a imagem com a mídia, após uma série de bombardeios com um número significativo de vítimas civis.

    Mais:

    Rússia espera que a coalizão liderada pelos EUA aja de forma responsável em Mossul
    Anistia Internacional denuncia violações do direito humanitário internacional em Mossul
    Mais de 100 corpos são achados em Mossul após bombardeio da coalizão internacional
    Iraque suspende operação de Mossul devido ao grande número de vítimas entre civis
    Rússia solicita consultas sobre situação em Mossul
    Fontes: pelo menos 200 pessoas morreram em ataques aéreos em Mossul, a maioria civis
    Tags:
    civis, ataques aéreos, ofensiva, entrevista, opinião, Karen Kwiatkowski, EUA, Iraque, norte do Iraque, Mossul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar