06:10 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Vista da pista de decolagem da base aérea iraniana de Hamadã da cabine de um Su-34 russo durante a operação militar contra o Daesh na Síria

    Rússia irá usar bases militares iranianas, mas de que forma?

    Ministério da Defesa da Rússia
    Oriente Médio e África
    URL curta
    152168263

    O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, declarou que as decisões sobre o uso de bases militares iranianas pela Rússia para combater os terroristas serão tomadas "conforme cada caso em concreto", informa a Reuters.

    Segundo dados da agência, o chefe da chancelaria iraniana sublinhou que no encontro com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, serão abordados os problemas regionais, incluindo a crise síria.

    Zarif irá viajou com a delegação do presidente do Irã, Hassan Rouhani, que se encontra em 27 e 28 de março na Rússia a convite de Vladimir Putin.

    Em agosto de 2016, a Força Aeroespacial da Rússia usou pela primeira vez a base aérea iraniana de Hamadã para realizar ataques contra objetivos dos terroristas na Síria. Mais tarde, o Ministério da Defesa informou que os aviões regressaram para a Rússia. Entretanto, o representante oficial do ministério, Igor Konashenkov, declarou que no futuro o aeródromo será usado conforme acordos bilaterais sobre o combate ao terrorismo dependendo da situação na Síria.

    Mais:

    Irã introduz sanções contra 15 empresas norte-americanas
    EUA acusam Irã de colocar navegação em perigo no estreito de Ormuz
    EUA reforçam apoio militar a Arábia Saudita para combater Irã
    Será que queixas de Netanyahu contra Irã significam algo para Vladimir Putin?
    Tags:
    visita oficial, encontro bilateral, crise síria, combate ao terrorismo, ataques aéreos, base militar, base aérea, Ministério das Relações Exteriores do Irã, Ministério da Defesa (Rússia), Força Aeroespacial da Rússia, Vladimir Putin, Hassan Rohani, Mohammad Javad Zarif, Síria, Hamadã, Irã, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik