19:51 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Jerusalém Oriental

    Estudantes israelenses descobrem base rebelde com 2.000 anos

    © flickr.com/ Chad Rosenthal
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5135728

    Um grupo de estudantes do ensino médio de Jerusalém financiou sua viagem educacional à Polônia desenterrando relíquias da Revolta de Bar Kokhba contra os romanos no século II d.C.

    Os estudantes, que desejam viajar à Polônia para continuar seus estudos sobre o Holocausto, ajudaram a Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA, sigla em inglês) a escavar os restos de um assentamento judaico com dois mil anos.

    A maioria dos edifícios escavados eram habitações usadas por soldados rebeldes. O complexo também incluía um "labirinto sinuoso" de túneis para esconder refugiados dos romanos. Eles também descobriram jarras e vasos de cerâmica intactos, provavelmente usados pelos rebeldes.

    A Revolta de Bar Kokhba, nomeada após o líder rebelde judeu Shimon bar Kokhba, foi a terceira e última guerra pela independência travada pelos judeus antigos contra seus senhores romanos. Embora as fontes históricas sobre o conflito sejam limitadas, se sabe que o imperador romano Adriano ultrajou os hebreus construindo uma nova cidade sobre as ruínas de Jerusalém, Aelia Capitolina, bem como um templo a Júpiter no Monte do Templo, onde o antes ficava o Segundo Templo.

    A sangrenta guerra terminou com a derrota dos rebeldes judeus, a morte de centenas de milhares e o início da diáspora judaica da Judéia que duraria até aos tempos modernos.

    "O passado e o presente estão se unindo numa cidade que conheceu a divisão e agora vive em harmonia", disse o ministro israelense da Construção e Habitação, Yoav Galant, ao Jerusalem Post. "Não há nada mais positivo do que o fato de que os alunos que estão aprendendo sobre as tentativas para aniquilar seu povo estão envolvidos no fortalecimento de nossos laços com Israel e lembrando as gerações do passado."

    Dudi Shokef, diretor do programa da delegação da Polônia no Ministério da Educação, afirma que as escavações ajudam jovens israelenses a se sentirem conectados às gerações passadas.

    "O objetivo desta iniciativa é transmitir o patrimônio do passado aos estudantes israelenses, integrando-os em um valioso projeto educacional, como a escavação de um sítio arqueológico", disse ele.

    "É fantástico que nós, estudantes israelenses no século XXI, estamos tendo a oportunidade de descobrir o país e estamos descobrindo um povoado judeu de há 2.000 anos com nossas próprias mãos", disse Shelly Kozlovich, uma dos alunos do ensino médio que participaram da escavação.

    "Com o dinheiro que estamos ganhando, pagaremos nossa viagem à Polônia e aprenderemos sobre o Holocausto — um evento que teve uma enorme influência no estabelecimento de Israel. É uma ótima forma de fechar um ciclo."

    A IAA pretende preservar o local da escavação como um parque arqueológico. A área circundante vai se tornar um novo bairro residencial.

    Mais:

    Hamas fecha fronteira com Israel após assassinato de líder militar
    Tags:
    rebelde, base, patrimônio cultural, Holocausto, Polônia, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik