05:32 15 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Forças Democráticas da Síria em Raqqa

    Investida contra capital do Daesh na Síria: uma guerra de 'todos contra todos'

    © REUTERS / Rodi Said
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5312
    Nos siga no

    Ainda não está claro quem vai participar do assalto à cidade síria de Raqqa. Existe o risco de que a libertação da "capital do Daesh" (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) se transforme em uma batalha entre os próprios atacantes, diz o colunista da Sputnik, Andrei Veselov.

    EUA prometem autonomia aos curdos?

    Alguma mídia curda assegura que os EUA já acordaram com os líderes curdos a criação de um Curdistão autônomo no território da Síria se eles conseguirem tomar Raqqa e seus arredores. O que constituiria a base para a criação de um Estado curdo independente na Síria e no Iraque?

    O membro do birô político do Partido Democrático do Curdistão na Síria (PDK-S) e um dos líderes do Conselho Nacional dos Curdos Sírios (ENKS, na sua sigla em curdo), Muslim Mihemmed, confirmou à Sputnik que "os americanos têm este projeto".

    De acordo com Mihemmed, o projeto deve ter em conta os interesses de "todos os curdos na região e não apenas de algumas forças [uma referência às Unidades de Proteção Popular, YPG]".

    "Se não for assim, esse Estado não pode ser considerado curdo. Defendemos a atribuição de direitos legais para todos os curdos. Os curdos devem decidir seu destino em suas terras no Iraque e na Síria. Hoje em dia, a atenção está focada no Curdistão sírio e ele merece obter seus direitos", resumiu Mihemmed.

    A tentativa de chegar a um acordo

    No início de março, em Antália, Turquia, se reuniram os chefes dos estados-maiores da Rússia, Turquia e Estados Unidos. Formalmente, Valery Gerasimov, Hulusi Akar e Joseph Dunford, os representantes de cada país, respectivamente, discutiram os "problemas gerais de segurança no Iraque e na Síria". Oficialmente, não foram revelados os detalhes da conversa, mas, de acordo com várias mídias turcas, entre outras coisas, foram discutidos os princípios que podem ajudar as partes a estabelecer uma parceria para o próximo ataque a Raqqa e a evitar o 'fogo amigo'.

    Entre as forças democráticas e Ancara

    Raqqa está cercada por forças turcas e formações curdas. Os curdos sírios ajudam o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerado por Ancara como separatista e terrorista.

    Washington está em uma situação muito complicada. Por um lado, a Turquia é seu parceiro na OTAN, por outro, os curdos são um aliado confiável e testado na luta contra o Daesh. Antes era possível cooperar com os dois, quando estavam mais ou menos separados, mas agora estão se aproximando de um contato físico.

    As Forças Democráticas da Síria (FDS) afirmam que "não vão permitir que a Turquia participe do assalto a Raqqa". "Em uma reunião com representantes do Comando Militar dos EUA, temos deixado claro que não permitiremos que a Turquia ocupe novas áreas. Consideramos esse país como um ocupante do norte da Síria, e o Comando dos Estados Unidos levou em conta o nosso ponto de vista", afirmou o representante do movimento, Talal Selo.

    Por sua vez, Ancara exige que os EUA deixem de apoiar as FDS.

    Bashar al-Assad e o corpo de fuzileiros navais dos EUA

    Até há pouco tempo, o Exército sírio participou de fortes combates na região de Damasco e Palmira. No entanto, Bashar al-Assad não pensa em ficar longe do que está acontecendo em Raqqa. O presidente anunciou o início da operação militar para libertar a cidade.

    "Agora estamos perto de Raqqa. As nossas tropas chegaram ao rio Eufrates, que fica muito perto de Raqqa, cidade que representa hoje o reduto de Daesh. Portanto, Raqqa é uma prioridade para nós", argumentou Assad.

    Enquanto as Forças Democráticas estão contra os turcos, e vice-versa, o governo sírio atua tanto contra uns, como contra os outros. A situação se agrava devido ao aparecimento lá de forças terrestres dos Estados Unidos, que levam muito tempo procurando a derrubada de Assad. De acordo com o jornal The Washington Post, os americanos enviaram para a região de Raqqa várias unidades adicionais.

    Neste cenário complexo, em que 'todos estão contra todos", mas todos juntos estão contra o Daesh, a Rússia atua como aliado e parceiro de Assad, mas também tem contatos de trabalho sobre a questão síria com a Turquia, o Iraque, os curdos e até mesmo com uma certa parte da oposição, cujos representantes visitaram Moscou várias vezes.

    Mais:

    Trump está disposto a sacrificar relações EUA-Turquia para libertar Raqqa?
    Coalizão liderada pelos EUA destrói instalação de drones do Daesh perto de Raqqa
    Bombardeiros russos atacam Daesh com mísseis de cruzeiro em Raqqa
    Tags:
    disputa territorial, curdos, Daesh, Forças Democráticas da Síria, Rússia, EUA, Turquia, Síria, Raqqa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar