13:38 06 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ofensiva de Mossul (96)
    23132
    Nos siga no

    As Forças Armadas iraquianas decidiram suspender a reconquista da parte ocidental de Mossul ao Daesh (grupo terrorista, proibido na Rússia).

    Os moradores que fugiram do epicentro do conflito armado denunciaram que os ataques levados a cabo pelo Iraque e a coalizão internacional destruíram edifícios e mataram muitos civis. Também foi relatado que os extremistas usaram civis como escudos humanos e abriram fogo contra eles para lhes impedir de fugir das áreas controladas pelos terroristas.

    "O grande número de civis na parte antiga da cidade obriga-nos a suspender as operações e a rever nossos planos", disse porta-voz da Polícia Federal iraquiana, citado pela Reuters.

    Ele acrescentou que é necessário reconsiderar as táticas, e que agora "nenhuma operação continuará".

    "Precisamos ter a certeza de que a expulsão do Daesh da antiga cidade não custará baixas entre população civil. Precisamos realizar operações que não levem a danos para civis", sublinhou o porta-voz da Polícia Federal.

    A operação para reconquistar Mossul, capturada por militantes do grupo terrorista Daesh em 2014, iniciou-se em outubro do ano passado. Com o apoio de diversos aliados, Bagdá conseguiu retomar o controle sobre a parte oriental da cidade em janeiro, mas os combates continuam na parte ocidental. Em 24 de fevereiro, as tropas governamentais do Iraque conseguiram reconquistar a base militar e uma aldeia a sudoeste de Mossul, entrando nos bairros civis, localizados na zona oeste da cidade, e retomando controle total do aeroporto.

    Tema:
    Ofensiva de Mossul (96)

    Mais:

    Cerca de 100 mil já deixaram oeste Mossul em meio ao avanço do exército
    Daesh usa gás venenoso em confronto com forças iraquianas em Mossul
    Avante: Tropas do Iraque retomam sede governamental em Mossul
    Tags:
    ofensiva, operação, suspensão, Daesh, Mossul, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar