03:45 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Exército sírio toma uma posição enquanto avança em direção à antiga cidade de Palmira, 2 de março de 2017

    Adeus Daesh: colinas estratégicas perto de Palmira estão sob controle do exército sírio

    © AFP 2019 / STR
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Palmira novamente reconquistada (23)
    6161
    Nos siga no

    Os soldados do exército sírio estabeleceram controle pleno sobre colinas estratégicas de Jabal al-Mustadira, situadas a nordeste de Palmira, disse na quarta-feira (15) o canal de televisão libanês Al-Manar.

    Segundo o canal, os restos dos militantes do Daesh — grupo terrorista proibido na Rússia — foram expulsos das colinas em questão bem como dos arredores. Não muito longe das colinas está localizada a jazida de gás Mustadira, que pode se tornar o próximo alvo das forças do governo.

    Palmira, um dos centros mais ricos da civilização antiga, foi controlada pelo Daesh em maio de 2015. O exército sírio libertou Palmira em março de 2016 com o apoio da aviação russa. Em dezembro de 2016, os militantes do Daesh recapturaram Palmira e destruíram muitos dos monumentos históricos da cidade. No dia 2 de março de 2017, foi relatado que o exército sírio, com o apoio da aviação russa, retomou controle da cidade historicamente importante — Palmira, recuando os combatentes que não conseguiram destruir todos os edifícios antigos.

    Posteriormente, o comando do exército sírio comunicou que a libertação da cidade antiga possibilitará a expansão das operações militares contra os militantes do Daesh. Atualmente, as forças do governo continuam a ofensiva contra as posições dos militantes, localizadas a leste de Palmira, dominando colinas estratégicas e abrangendo a zona de segurança a norte e sul.

    Tema:
    Palmira novamente reconquistada (23)

    Mais:

    Músicos sírios cantam no antigo anfiteatro de Palmira reconquistada (VÍDEO)
    Tags:
    libertação, militantes, terroristas, Guerra Civil Síria, Exército da Síria, Al-Manar, Daesh, Síria, Palmira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar