18:22 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Forças sauditas no Iêmen

    'Êxodo em massa': Rússia adverte coalizão saudita a não atacar o maior porto do Iêmen

    © REUTERS / Faisal Al Nasser/Files
    Oriente Médio e África
    URL curta
    15293

    A Rússia estima que os combates "provocarão um êxodo em massa inevitável" e cortarão "as fontes de abastecimento de alimentos e de ajuda humanitária" no país.

    Moscou está preocupada com os planos da coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita de atacar Al Hudaydah, o maior porto no Iêmen, situado no litoral do Mar Vermelho, de acordo com a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

    Esta possível iniciativa, segundo ela, gera "extrema preocupação" para os russos não só porque os combates na área "provocarão um êxodo em massa inevitável da população", mas também porque "cortarão as fontes de abastecimento de alimentos e de ajuda humanitária" de Sanaa, a capital do país.

    "Acreditamos firmemente que não há solução militar para o conflito no Iêmen", disse Zakharova, exortando as partes a “voltar à mesa de negociações com a assistência do enviado especial do secretário-geral ONU [para o Iêmen], Ismail Ahmed, a fim de alcançar o cessar-fogo sustentável e de encontrar uma solução política para o conflito".

    A representante da chancelaria russa afirmou ainda que os grupos terroristas Daesh (autodenominado Estado Islâmico) e Al-Qaeda "aproveitam este caos" para "controlar algumas partes do Iêmen, em particular, no sul do país", e "complicam ainda mais a situação humanitária na região".

    Mais:

    Trump adota nova estratégia contra o terrorismo no Iêmen
    Pentágono confirma novos bombardeios no Iêmen
    EUA lançam ataques aéreos no Iêmen
    Holocausto da Fome: Mundo enfrenta pior crise humanitária desde 1945
    Tags:
    êxodo, ajuda humanitária, cessar-fogo, coalizão, ataque, porto, conflito, Maria Zakharova, Al Hudaydah, Rússia, Iêmen, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik