15:50 22 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    585
    Nos siga no

    A participação ativa do Irã na reconciliação de crises regionais preocupa os Estados rivais, principalmente Israel.

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, mais uma vez sugeriu resistência da "ameaça iraniana". Ele discutiu as ameaças do Irã e a cooperação na área de neutralização deles com o presidente dos EUA Donald Trump por telefone, relata a assessoria de imprensa do governo israelense.

    O cientista político iraniano, ex-editor-chefe da agência iraniana MehrNews e especialista em problemas do Oriente Médio, Hassan Hanizadeh, disse à Sputnik Persa que a ameaça do Irã é irreal.

    "Agora a política dos EUA, de Israel, da Arábia Saudita e mesmo da Turquia na Síria é um fiasco. Há grandes sucessos no Iraque: a cidade de Mossul está quase completamente libertada. Por isso estes países tentam acender a iranofobia para obter de novo o poder na região", disse.

    Além disso, durante uma sessão recente em Munique sobre questões de segurança, os ministros das Relações Exteriores da Arábia Saudita e da Turquia — Adel al-Jubeir e Mevlut Cavusoglu – realizaram um encontro informal com o ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, onde decidiram criar uma frente unida contra a ameaça iraniana. Esta frente árabe-israelense-turca vai atuar sob a gestão atenciosa dos EUA a fim de impedir o aumento da influência do Irã.

    Israel, ao criar esta frente anti-iraniana, tenta estorvar as ações pacificadoras do Irã na Síria e em outros países da região. O especialista julga que Israel busca desempenhar papel de liderança na região e impor suas regras e sua política.

    Hassan Hanizadeh sublinha que há outra razão para a iranofobia de Israel:

    "Eles tentam distrair a atenção de um problema mais importante e alargar sua política de construção de localidades judias em terras palestinas, transferindo departamentos diplomáticos de Tel Aviv para Jerusalém. A primeira embaixada aberta lá será a dos Estados Unidos."

    Devemos sublinhar que tais ações de Israel contradizem as resoluções 181 e 242 do Conselho da Segurança da ONU, que preveem a criação de dois Estados, um judeu e um árabe, no antigo protetorado britânico da Palestina, com Jerusalém sob mandato internacional e o reconhecimento da soberania, integridade territorial e independência política de todos os Estados da região e seu direito a viver em paz.

    Mais:

    May reitera apoio ao programa nuclear iraniano durante visita de Netanyahu a Londres
    Israel pede desculpas ao México por declarações de Netanyahu
    Declaração de Netanyahu sobre muro provoca desconforto diplomático entre México e Israel
    Tags:
    ameaça, disputa territorial, ONU, Conselho de Segurança da ONU, Avigdor Lieberman, Adel al-Jubeir, Mevlut Cavusoglu, Benjamin Netanyahu, Tel Aviv, Jerusalém, Palestina, Munique, Turquia, Síria, Irã, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar