23:25 08 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    316
    Nos siga no

    O Departamento de Defesa dos EUA estuda a proposta de aumentar o papel dos soldados americanos na libertação da cidade síria de Raqqa, informa o The Washington Post.

    "Pressupõe-se uma participação significativa de militares americanos, inclusive das forças especiais, helicópteros de combate e artilharia, bem como o fornecimento de armas às principais forças curdas e árabes no local", escreve o WP citando fontes próximas à elaboração do plano.

    De acordo com jornal, o Pentágono planeja discutir a possibilidade de levantar as restrições ao número de efetivos americanos na Síria, que hoje em dia consiste de 500 soldados das forças especiais.

    Destaca-se, contudo, que os militares americanos não vão participar das operações terrestres. O aumento do contingente permitirá aos soldados estar mais próximos da frente de combate.

    Presidente turco Recep Tayyip Erdogan fala durante a reunião com investidores internacionais no Palácio presidencial em Ancara, Turquia, 2 de agosto de 2016
    © AFP 2020 / KAYHAN OZER / Serviço público do presidente turco
    Em 1 de março, o tenente-general Steven Townsend, comandante americano da operação da coalizão internacional contra o Daesh (organização terrorista, proibido na Rússia) declarou que as milícias curdas podem participar da operação da libertação de Raqqa. Ele também confirmou que os EUA consideram a possibilidade de participação da Turquia. As maiores esperanças dos EUA são ligadas às forças árabes, porque a maioria da população na região de Raqqa é árabe.

    A cidade síria de Raqqa, cuja população é de cerca de 200 mil habitantes, tem sido controlada pelos jihadistas desde janeiro de 2014. Ela é considerada como a capital do califado criado por este agrupamento terrorista, que se veio espalhando por vastos territórios da Síria e do país vizinho, o Iraque.

    Desde novembro de 2016 as Forças Democráticas da Síria, que incluem destacamentos de autodefesa curdos e árabes, estão realizando a operação para libertar a cidade de Raqqa. A ofensiva contra a cidade está sendo realizada simultaneamente a partir de duas direções (de noroeste e nordeste). Em janeiro foi anunciada uma nova fase da ofensiva com o objetivo de cercar a cidade e cortar as ligações rodoviárias de extremistas.

    Mais:

    General dos EUA comenta onde podem ser criadas 'zonas de segurança' na Síria
    Coalizão dos EUA realiza 38 ataques contra o Daesh na Síria e no Iraque
    Pentágono: EUA não buscam maior cooperação com a Rússia na Síria
    Tags:
    curdos sírios, libertação, Daesh, EUA, Raqqa, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar