15:34 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Combatente curdo das Unidades de Proteção Popular (YPG) em Al-Hasakah, norte da Síria

    Resolução da crise síria é 'impossível' sem os curdos

    © REUTERS/ Rodi Said
    Oriente Médio e África
    URL curta
    878533

    A guerra que começou na Síria em 2011 só terá chance de chegar ao fim com participação curda nas negociações de paz, acredita Ebdulselam Eli.

    O especialista, que partilhou da sua vista a situação com a Sputnik Turquia, é representante do Partido da União Democrática.

    "Resolver a crise síria sem os curdos é impossível, [porque os curdos] são autossuficientes e eles têm as suas próprias forças armadas. [Todas as partes] devem procurar entendimento com os curdos. Caso contrário, a Síria não terá um futuro promissor", disse.

    Os soldados da milícia curda são uma das forças mais eficientes no combate contra o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia) no Iraque e na Síria.

    O especialista descreveu o estado atual da situação na Síria como "terrível".

    Segundo Eli, o país árabe é parcialmente controlado por variados grupos terroristas e parcialmente – pelos curdos e por Damasco. Mas este último não tem forças suficientes para tomar controle de todo o país e governá-lo, acredita.

    Os responsáveis oficiais russos têm dito repetidas vezes que os representantes do Partido da União Democrática (PYD), uma das maiores forças políticas na Síria, deve receber o convite para as próximas negociações de paz organizadas pelas Nações Unidas, previstas para terem lugar em Genebra.

    "A Rússia e os Estados Unidos compreendem que é extremamente importante que os representantes curdos participem das negociações de Genebra. É por isso que ambos insistiram nisso", sublinhou.

    Mas há também outros, a Turquia, por exemplo, diz que os curdos, que controlam 22% do território sírio, são representados nas negociações pelo Conselho Nacional Curdo, que faz parte da oposição síria que está representada em Genebra.

    "Contudo, ao contrário do PYD, o Conselho Nacional Curdo não administra realmente quaisquer áreas na Síria. A Turquia não quer aceitar a realidade como ela é," opina Eli.

    Esta organização presente em Genebra foi fundada pelo Partido Democrático do Curdistão, um dos principais no Curdistão iraquiano, em outubro de 2011.

    As recentes negociações para a resolução da crise síria foram lançadas em 23 de fevereiro em Genebra (Suíça) e contam com a participação do enviado especial das Nações Unidas para a Síria Staffan de Mistura, da delegação de Damasco liderada por Bashar Jaafari, pelo Comitê de Alta Negociação (HNC) da oposição síria, bem como dos grupos negociadores do Egito e Rússia.

    Na sexta-feira (24), de Mistura apresentou um documento de trabalho sobre questões processuais para as delegações de Damasco e do HNC com as suas propostas sobre a atual rodada de negociações. De acordo com uma fonte da Sputnik, o enviado especial das Nações Unidas expressou no documento o seu apoio às negociações diretas e sugeriu destacar como três maiores temas a governança, a constituição e as eleições.

    Tags:
    negociações de paz, opinião, curdos, Genebra, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik