17:14 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 60
    Nos siga no

    No domingo (19), o primeiro-ministro iraquiano, Haider Abadi, anunciou o início da operação para libertar a parte ocidental da cidade de Mossul dos terroristas do Daesh.

    No entanto, o especialista em Oriente Médio Tallha Abdulrazaq explicou à Sputnik Internacional por que é improvável que a batalha para quebrar a posse pelos terroristas do remanescente da cidade tenha "avanços relâmpago".

    A Sputnik falou sobre as perspectivas da ação militar de Bagdá com um pesquisador do Instituto de Estratégia e Segurança da Universidade de Exeter e especialista em política e segurança do Oriente Médio, Tallha Abdulrazaq, que explicou por que esta não será uma operação fácil.

    "Em curto prazo, é difícil dizer se haverá algum ‘avanço relâmpago'. Na verdade, é muito improvável que isso aconteça. A operação militar na parte oriental de Mossul foi realmente mais fácil. Se olhamos para o progresso que o exército iraquiano fez naquele período de tempo, ele foi muito lento", disse ele à Sputnik.

    O primeiro-ministro Haider Abadi, explicou ele, prometeu libertar Mossul no final de 2016. Ele então falhou sua promessa. Depois de quatro meses de luta, ele só conseguiu capturar a parte oriental. A metade ocidental é a parte mais antiga da cidade, as ruas lá são mais estreitas e o Daesh [Estado Islâmico, ISIS, proibido na Rússia] tem tido tempo considerável para fortificar a área, ainda mais que a metade oriental. Portanto, eles estarão esperando pelas forças iraquianas. O especialista sugeriu que vai ser bastante sangrento, não só para civis ou ISIS, mas mesmo para o próprio exército iraquiano.

    A ponta de lança para a operação, sugeriu ele, serão as forças antiterroristas do país, como de costume, mas eles tiveram uma derrota bastante severa na metade oriental, por isso é preciso ver o quanto eles vão sofrer na metade ocidental.

    Tallha Abdulrazaq disse que a coalizão liderada pelos EUA tem várias dezenas de países participantes, então todos estarão lá com várias forças aéreas. Mas esta é uma área preenchida, densamente povoada, por isso é questionável quanto poder aéreo eles podem realmente levar para lá. Em termos de outras forças, disse ele, é altamente possível que haja um grande envolvimento dos jihadistas xiitas apoiados pelo Irã, que estão lutando sob o guarda-chuva de Hasdi Sabi, também conhecido como Forças de Mobilização Popular, e da polícia federal.

    "Assim, haverá uma convergência dessas unidades, provavelmente em conjunto, algumas delas avançando de Tal Afar, nos subúrbios ocidentais de Mossul, cerca de 60 quilômetros a oeste, e algumas avançando a partir do sul, em torno do aeroporto, bem como, obviamente, unidades que tentarão atravessar o rio", sugeriu.

    O especialista explicou que a situação continua muito complicada, é muito perigosa tanto para civis, como para as forças de combate. A força do Daesh lá não depende realmente do número de lutadores que permaneceram, que é de cerca de 2.500-3.000 homens. Independentemente dos números, disse ele, eles ainda estão em posições muito fortificadas que estiveram preparando há anos. Eles estarão prontos para a luta.

    "Se você olhar para o Daesh e outras organizações extremistas no Iraque, a maneira como eles estiveram operando antes era uma guerra assimétrica, guerra de guerrilha, muito ‘bate e foge', usando homens-bomba em áreas densamente povoadas, às vezes carros-bomba com um homem-bomba dentro", disse ele.

    "E, como vimos nos últimos seis meses, sempre houve ataques mortíferos em cidades iraquianas que não tinham presença real do Daesh. Então, as chances de que eles realmente desapareçam por Mossul ser recapturada são fracas. Como já referi anteriormente, o Daesh simplesmente regressaria à guerra assimétrica. Eles sabem antecipadamente que perderão Mossul. Provavelmente, não há nenhum comandante do Daesh que esteja pensando seriamente que ele vai segurar Mossul. É apenas uma questão de torná-lo tão mortífero e tão oneroso para o exército iraquiano quanto possível", afirmou finalmente o especialista.

    Mais:

    Líder do Daesh teria sido ferido em ataque aéreo no Iraque
    EUA e Iraque juntos contra Daesh e 'ameaça iraniana'
    Mídia: Pentágono silenciou ataques aéreos no Iraque, Síria e Afeganistão durante 16 anos
    Tags:
    xiitas, libertação, ataque, Hasdi Sabi, Daesh, Sputnik, Haider Abadi, Tal Afar, Mossul, Oriente Médio, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar