10:06 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Militante da Frente al-Nusra com a bandeira do grupo na província de Idlib, Síria

    Terroristas do Daesh executam 200 prisioneiros de facções rivais na Síria

    © AP Photo/ Al-Nusra Front Twitter page
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5103553

    Militantes da Al-Qaeda, lutando contra outra facção armada, foram cercados, detidos e executados sumariamente pelos jihadistas do Daesh (autodenominado Estado Islâmico) operando sob a bandeira do grupo rebelde Jund al-Aqsa na Síria.

    Soldados do Estado Islâmico em parada na cidade de Raqqa, Síria
    © AP Photo/ Raqqa Media Center of the Islamic State group
    Ambas as facções rebeldes, a Al-Qaeda (Frente al-Nusra) e o Jaish al-Nasr, grupo alinhado com o Exército Livre da Síria (ELS), estavam envolvidas em confrontos sangrentos nas províncias sírias de Idlib e Hama, quando os combates pararam de repente. Os militantes da Jund al-Aqsa afluíram em uma grande ofensiva e capturaram cerca de 150 a 200 combatentes das facções.

    A questão sobre o que fazer com os prisioneiros após seis dias de detenção foi resolvida quando a Jund al-Aqsa decidiu "liquidar" todos os prisioneiros "ao mesmo tempo", segundo Abdul Hakim al-Rahmon, um comandante do grupo Jaish al-Nasr.

    A Al-Qaeda e o Daesh são vistos como arquirrivais na luta pela hegemonia jihadista na região.

    O comandante do Jaish al-Nasr disse que 160 dos mortos eram afiliados ao ELS, enquanto 43 eram da Al-Qaeda. 

    Mais:

    Crianças-bombas: trágico destino dos yazidis sequestrados pelo Daesh
    Bombardeiros russos atacam Daesh com mísseis de cruzeiro em Raqqa
    Daesh e ataques da coalizão liderada pelos EUA ameaçam levar dilúvio catastrófico à Síria
    Daesh vai cortar a cabeça de quem comemorar o Dia dos Namorados
    Tags:
    prisioneiros, execução, grupos terroristas, guerra, Exército Livre da Síria, Jund al-Aqsa, Estado Islâmico, Daesh, Frente al-Nusra, Jaish al-Nasr, Al-Qaeda, Hama, Idlib, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik