10:12 18 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Moças curdas seguram a bandeira da Curdistão iraquiano na cidade de Arbil (arquivo)

    Curdos pedem que Rússia defenda federalização da Síria

    © AFP 2017/ SAFIN HAMED
    Oriente Médio e África
    URL curta
    112285912

    Militantes curdos de Síria, Iraque e Turquia apelaram à liderança russa em uma declaração conjunta, nesta sexta-feira, para que Moscou defenda o status de federação de regiões do norte da Síria no nível internacional.

    Na última quarta-feira, a capital da Rússia recebeu uma conferência com representantes curdos denominada "A luta por influência no Oriente Médio: o estado atual e os possíveis resultados". A declaração divulgada hoje foi redigida com base nas discussões realizadas nesse evento. 

    "Pedimos para considerarem o aprofundamento e fortalecimento das relações russo-curdas e a possibilidade de o Ministério das Relações Exteriores defender a legitimação do status de federação da Síria do Norte-Rojava na arena internacional, como uma entidade política e territorial na nova Constituição síria", diz a declaração, lida por Farkhat Patiev, membro do Congresso Nacional do Curdistão. 

    De acordo com o parlamentar, não há como resolver a atual crise do Oriente Médio sem encontrar uma solução também para a questão curda. 

    Os curdos sírios afirmam que, como parte da população síria, eles não estão buscando independência, mas esperam, sim, mais autonomia. Em março de 2016, a região de Rojava se declarou autônoma. No entanto, Damasco se recusou a reconhecer tal decisão, afirmando que a mesma não tinha efeito legal. 

     

    Mais:

    Curdos sírios recebem armas e material bélico dos EUA
    Negociações sírias em Genebra foram adiadas para incluir os curdos
    Opinião: Turquia usará os terroristas removidos de Aleppo para combater os curdos
    Tags:
    autonomia, federalização, federação, Farkhat Patiev, Oriente Médio, Damasco, Rojava, Moscou, Turquia, Iraque, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik