00:56 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Fumaça sobe após ataque sírio na antiga cidade de Quneitra, perto da fronteira entre a Síria e as Colinas de Golã que são controladas por Israel

    Opinião: transferência das Colinas de Golã para Israel arruinará progresso da paz na Síria

    © AP Photo/ Ariel Schalit
    Oriente Médio e África
    URL curta
    632161116

    No dia 23 de fevereiro, quando acontecerão as negociações sobre Síria em Genebra, está marcado o encontro do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, com o presidente dos EUA, Donald Trump.

    Provavelmente, eles discutirão não somente a crise síria, mas também questões relacionadas às Colinas de Golã — território disputado entre Israel e Síria.

    O secretário geral das Forças Democráticas Sírias, Fajr Zeidan (oposição interna da síria), afirmou à Sputnik Árabe que Netanyahu espera resolver, juntamente com o presidente dos EUA, a disputa sobre o domínio das Colinas de Golã através do favorecimento de Israel. Caso Trump seja a favor desta solução, todas as ações que visam encontrar solução pacífica da crise síria sentirão o impacto. 

    A Rússia apoia os esforços internacionais embasados no cumprimento da resolução 2254 do Conselho de Segurança da ONU a fim de resolver a crise na Síria. Atualmente, o objetivo principal é o cessar-fogo absoluto entre o exercito e a oposição. Nos últimos tempos, os EUA começaram a dar os primeiros passos nessa direção. Mas passos serão dados para trás, caso os EUA reconheçam o direito de Israel às Colinas de Golã.

    Mais:

    Comando do exército sírio confirma abate de avião israelense nas Colinas de Golã
    Israel nega perda de seus veículos aéreos nas Colinas de Golã
    Força Aérea de Israel ataca o Exército da Síria nas Colinas de Golã
    Israel ataca posições do exército sírio nas Colinas de Golã
    Tags:
    crise síria, resolução pacífica, encontro bilateral, direito, disputa territorial, progresso, negociações de paz, reconhecimento, cessar-fogo, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Donald Trump, Benjamin Netanyahu, Colinas de Golã, Genebra, Síria, Israel, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik