11:29 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2210
    Nos siga no

    Inundações catastróficas ameaçam alagar a Síria, segundo um relatório de alerta das Nações Unidas. A barragem de Tabqa, a maior do país, está em risco devido aos altos níveis de água, à sabotagem deliberada por parte do Daesh (autodenominado Estado Islâmico) e aos danos causados pelos ataques aéreos da coalizão liderada pelos EUA.

    A represa retém o rio Eufrates 40 km acima da cidade de Raqqa, que está sob o controle do Daesh desde 2014.

    Os níveis de água no rio subiram cerca de 10 metros desde o dia 24 de janeiro, em parte devido a fortes chuvas e neve, e em parte devido à abertura de três turbinas da barragem por parte dos jihadistas, que assim inundaram áreas ribeirinhas rio abaixo, de acordo com um relatório da ONU citado pela Reuters.

    "De acordo com especialistas locais, qualquer novo aumento do nível da água submergiria enormes áreas agrícolas ao longo do rio e poderia potencialmente danificar a barragem de Tabqa, o que teria implicações humanitárias catastróficas em todas as áreas a jusante", alertou o documento.

    A entrada para a barragem já foi danificada por ataques aéreos da coalizão liderada pelos EUA, acrescentou o relatório. Se sofrer mais danos, diz o alerta, pode haver enchentes de grande escala de Raqqa a Deir ez-Zor, que fica a 140 km de Raqqa, descendo o Eufrates.

    Deir ez-Zor está sitiada pelo Daesh, e a ONU estima que 93.500 civis estão presos na cidade.


    Mais:

    Opinião: Raqqa pode se tornar um 'pântano' para o exército turco
    Ministro britânico: operação para libertar Raqqa pode começar dentro de alguns meses
    Coalizão liderada pelos EUA bombardeia cidade síria perto da barragem do Eufrates
    'Fúria do Eufrates' está cada vez mais perto de Raqqa
    Tags:
    dilúvio, enchente, inundação, ataques aéreos, chuvas, barragem, represa, barragem de Tabqa, ONU, Estado Islâmico, Daesh, Tabqa, EUA, Deir ez-Zor, Raqqa, rio Eufrates, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar