15:16 20 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente sírio, Bashar Assad, durante uma entrevista

    Assad: 'Americanos serão bem vindos, desde que respeitem a soberania da Síria'

    © AP Photo / SANA
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9221

    Em uma longa entrevista concedida ao Yahoo News, o presidente da Síria, Bashar Assad, disse que tropas dos Estados Unidos seriam uma importante ajuda no combate ao Daesh (grupo terrorista conhecido como Estado Islâmico). Porém, seria necessário reconhecer a soberania do país "como faz a Rússia". O presidente também falou sobre renúncia e tortura.

    O comentário segue a declaração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que pretende enviar tropas americanas e helicópteros Apalache à Síria no combate a terroristas.

    "Se os americanos são genuínos [na intenção de ajudar], é claro, eles são bem-vindos, como qualquer outro país que quer derrotar e lutar com os terroristas", disse Assad. 

    O presidente sírio acrescentou que a aproximação com os Estados Unidos deve incluir o respeito à "soberania da Síria" e que a parceria entre os americanos e os russos na tentativa de derrotar o Daesh era "essencial". Mesmo assim, o presidente sírio rejeitou a ideia de Trump em criar zonas de segurança para refugiados sírios. Trump pretendia entrar em contato com aliados para criar corredores humanitários.

    "Não é uma ideia realística, de forma alguma […]. É muito mais viável, muito mais prático e menos dispendioso ter estabilidade do que criar zonas seguras", afirmou.

    A ideia também é descartada pelas Nações Unidas, que consideram o cenário sírio — com múltiplas batalhas por vários campos militares e ideológicos diferentes — não é adequado para a promoção de zonas do tipo.

    Renúncia

    Provocado pela reportagem do Yahoo, Bashar Assad disse que não teria problemas em renunciar ao posto de presidente do país. Ele ressaltou, porém, que antes quer "derrotar os terroristas" e criar um "governo de unidade nacional".

    Assad, que foi eleito em 2014 para um mandato de sete anos (seu terceiro) após eleições realizadas em áreas da Síria ainda controladas por forças governistas, disse que deveria haver consenso público sobre sua saída para que uma renúncia aconteça.

    O presidente também comentou sobre as denúncias de torturas e abusos aos direitos humanos em seu governo. Ao ser confrontado com fotos de supostos torturados pelo exército sírio, Assad disse que se tratava de "propaganda" e "notícia falsa".

    Ele chega a mencionar as violações cometidas pelo reino da Arábia Saudita, ao que o jornalista Michael Iskoff o interrompe: "Tudo bem, mas não estou entrevistando o rei saudita agora, estou entrevistando você. Eu estou perguntando a você sobre relatórios que apontam casos de tortura em suas prisões, em seu país". Assad então rebate: "Você domina as perguntas e eu domino as respostas, então esta é a minha resposta. Quando você se perguntar sobre as relações [entre os Estados Unidos e a] Arábia Saudita, você pode questionar sobre isso".

    Veja a partir do minuto 13.

    Enquanto isso, a ofensiva militar contra os terroristas do Daesh continua. Com o apoio de forças aéreas da Rússia, o Exército Sírio finalmente destruiu um bastião terrorista na longa jornada para livrar Al-Bab dos jihadistas.

    Mais:

    Quem 'mata' constantemente Bashar Assad?
    Deputado sírio denuncia corrupção saudita para virar parlamentares contra Assad
    Tags:
    Apalache, Daesh, Nações Unidas, Michael Iskoff, Donald Trump, Bashar Assad, Al-Bab, Estados Unidos, Damasco, Arábia Saudita, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik