13:18 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1303
    Nos siga no

    Sangue dos soldados russos, mortos em terras sírias, não pode ser contado como dinheiro, declarou o presidente da Síria, Bashar Assad, durante encontro com legisladores russos.

    "É claro que o apoio militar é importante. Mas uma gota de sangue de um soldado russo em nossa terra é mais preciosa para nós do que qualquer apoio militar. Esse sangue, o sangue russo que foi derramado no nosso território não pode ser contado como dinheiro", sublinhou o presidente sírio.

    Bashar Assad agradeceu à Rússia pelo apoio militar prestado.

    Além disso, o presidente sírio reconheceu a importância das negociações, realizadas em Astana, apontando progresso rumo à resolução pacífica.

    "Hoje pela primeira vez o presidente da Síria disse que apoia as negociações em Astana, chamando-as de eficientes e benéficas", informou o deputado russo, Dmitry Sablin, aos jornalistas após encontro com Bashar Assad.

    Ao mesmo tempo, o presidente da síria expressou sua prontidão para dialogar com oposição armada e com os curdos.

    O chefe de Estado frisou que os eventos desenvolvidos no país seguem em conformidade com as vontades de Damasco e de Moscou.

    Na segunda-feira (6), a delegação dos deputados russos desembarcou na Síria para negociar com o governo do país questões quanto à resolução pacífica e à estrutura política da República Árabe Síria.

    Mais:

    Jatos russos destroem mais de 900 pontos do Daesh na Síria
    Que ações humanitárias a Rússia está comandando na Síria?
    Fonte revela quando Admiral Kuznetsov retorna da Síria para base naval russa
    Mídia: Pentágono silenciou ataques aéreos no Iraque, Síria e Afeganistão durante 16 anos
    Coalizão liderada pelos EUA bombardeia cidade síria perto da barragem do Eufrates
    Tags:
    resolução pacífica, negociações, encontro, combate ao terrorismo, dinheiro, território sírio, sangue, soldados mortos, apoio militar, Bashar Assad, Astana, Moscou, Rússia, Damasco, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar