09:15 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Foto conjunta dos participantes das negociações sobre problema nuclear iraniana em Viena

    Rússia está preocupada com a possível retirada do Irã do acordo nuclear de 2015

    © AFP 2019 / Joe Klamar
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1481
    Nos siga no

    A eventual retirada de Teerã do acordo nuclear de 2015 devido à retórica anti-iraniana dos Estados Unidos seria um sinal de fracasso da comunidade internacional, disse Mikhail Ulianov, chefe do Departamento de Não-Proliferação e Controle de Armamentos do ministério.

    "De fato há preocupações, porque vemos uma retórica bastante dura da administração dos EUA e uma retórica de resposta da parte de Teerã", disse o diplomata.

    "Você pergunta se há uma ameaça de retirada de Teerã? Creio que tal resultado seria um grande fracasso para toda a comunidade internacional", disse Ulianov.

    O diplomata russo destacou que as sanções impostas pelos EUA contra o Irã na semana passada criam um "clima altamente desfavorável" para a futura implementação do Plano de Ação Conjunto Integrado (JCPOA).

    Ulianov também criticou o presidente dos EUA, Donald Trump, que qualificou o acordo como "o pior já negociado".

    "Objetivamente, este acordo foi e é, não o ideal, mas o melhor de entre as possíveis soluções de uma situação muito difícil, é um compromisso razoável e muito delicado".

    O Irã e o sexteto de mediadores internacionais assinaram um acordo histórico, em julho do ano passado, para a regularização do programa nuclear iraniano. O acordo significa a revogação total de sanções econômicas e financeiras contra o Irã por parte da ONU, EUA e UE, em troca da confirmação do caráter pacífico do programa nuclear iraniano.

    Mais:

    Atividade nuclear do Irã não viola leis internacionais, mas em que resultará?
    Moscou se preocupa com a escalada das tensões entre EUA e Irã
    Pentágono: forças no golfo Pérsico colocadas em prontidão após tensões com Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar