16:34 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente norte-americano Barack Obama chora durante o discurso de despedida em Chicago, EUA, 10 de janeiro de 2017

    Obama tenta se atribuir o êxito do acordo nuclear com Irã, opinam analistas

    © AFP 2019 / JOSHUA LOTT
    Oriente Médio e África
    URL curta
    117
    Nos siga no

    Na terça-feira (11), o presidente norte-americano Barack Obama fez um discurso de despedida em Chicago e entre os seus êxitos principais, entre outras coisas, destacou o acordo nuclear com o Irã.

    Entretanto, especialistas questionados pela Sputnik Persa indicaram que o acordo sobre o programa nuclear iraniano não é um êxito pessoal de Obama, mas o resultado de esforços coletivos do sexteto internacional.

    O professor da Universidade de Teerã, Seyed Mohammad Marandi, esclareceu que o único país que tenta constantemente violar o acordo nuclear são os EUA, o que coloca em dúvida a declaração de Obama.

    "Primeiramente, há que destacar que o acordo nuclear concluído entre o Irã e o sexteto é um êxito não de qualquer país isolado, dos EUA em particular, mas dos esforços conjuntos de todos os países participantes do processo de negociações. Além dos EUA, eles são a Rússia, a China, o Reino Unido, a França e a Alemanha. No entanto, a posição de alguns países do sexteto foi mais construtiva no processo de negociações de que a dos EUA. Os norte-americanos não desempenharam um papel positivo e construtivo neste assunto. Em resultado, o acordo foi atingido, mas não graças aos EUA", disse.

    Ao mesmo tempo, disse que durante o último ano observavam que o único país que não queria respeitar o acordo nuclear são os EUA que violam o acordo introduzindo restrições e ameaçam introduzir novas sanções contra o Irã.

    "Tudo isso contradiz absolutamente as obrigações dos assinantes. Por isso se coloca a questão se para os EUA, segundo Barack Obama, o acordo nuclear é muito importante e ele o considera como um êxito importante, então porque os EUA tentam sempre violar este acordo?", afirmou.

    Por seu turno, o analista político iraniano Hassan Hanizadeh disse que se não fossem os esforços da Rússia e China no processo negocial, o acordo podia não ter sido assinado.

    "Sem a cooperação ativa da Rússia e China, os EUA não teriam conseguido o seu nicho no acordo atingido. Em seu discurso Barack Obama se esforçou em descrever a situação como se o Irã não tivesse resistido à pressão dos EUA e cedido em tudo no seu programa nuclear. Contudo, na realidade a situação é muito diferente: o Irã continua como antes seu programa nuclear sob controle rígido da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA)", disse Hanizadeh.

    Segundo ele, Obama nem mencionou os outros participantes do processo de negociações e tentou se atribuir os êxitos dos outros países. No seu discurso de despedida, sublinhou o especialista, ele tentou apresentar somente aspetos positivos do seu trabalho, enquanto muitos especialistas compreendem que a política externa de Obama não foi tão transparente assim, e "seu resultado foi o surgimento e ampliação da atividade dos grupos terroristas, em particular do Daesh".

    Mais:

    Zakharova: 'Deus fez o mundo em sete dias - Obama tem dois a mais para destruir tudo'
    Obama: assentamentos de Israel impossibilitam a solução do conflito com Palestina
    Presente de despedida de Obama
    Obama: 'Subestimei a desinformação promovida pelo hackeamento cibernético'
    Tags:
    cooperação, violação, posição, acordo, Rússia, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar