06:01 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Bombardeiro B-52 da Força Aérea dos EUA

    Mais de 20 civis morreram na Síria em 3 de janeiro após ataque do avião B-52 dos EUA

    © AFP 2019 / Paul Crock
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1159
    Nos siga no

    O bombardeiro B-52 dos EUA, sem notificar a Rússia, no dia 3 de janeiro, realizou um ataque na província de Idlib, matando mais de 20 civis, informou na terça-feira (10) o chefe do Quartel das Forças Armadas russas, general do Exército Valery Gerasimov.

    "Lembramos que, em 29 de setembro do ano passado, a aviação americana realizou uma ataque perto de Deir ez-Zor contra as forças do governo, sendo iniciado um ataque pelas unidades do Daesh [proibido na Rússia] logo em seguida", destacou Gerasimov.

    "O exemplo mais recente é o ataque de 3 de janeiro pelo bombardeiro B-52, realizado sem aviso prévio para a parte russa e dirigido contra o povoado de Sarmada na província de Idlib, situado em um bairro da zona do cessar-fogo. O ataque resultou na morte de mais de 20 civis", acrescentou o general russo.

    Segundo Gerasimov, durante os dois anos e meio da operação militar contra o grupo terrorista Daesh na Síria, além de não atingir resultados significativos, a coalizão internacional realizou um número muito menor de ataques contra pontos de militantes, equivalente a quase 6,5 mil, se comparado ao número de ataques realizados pela Força Aeroespacial russa.

    "Eles [a coalizão internacional chefiada pelos EUA] não alcançaram nenhum resultado significativo… Ao invés disso, foi registrado um grande número de vítimas entre a população civil e forças do governo", ressaltou o general.

    Mais:

    Coalizão, liderada pelos EUA, realizou 38 ataques aéreos na Síria e no Iraque
    Coalizão internacional realiza 17 ataques contra Daesh perto de Raqqa
    Tags:
    Bombardeiro, cessar-fogo, mortos, civis, ataque aéreo, B-52, Força Aeroespacial da Rússia, Daesh, Valery Gerasimov, Deir ez-Zor, Síria, Idlib
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar