23:30 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldado sírio em Aleppo libertada

    Assad: Melhoria das relações russo-americanas será boa para a Síria

    © Sputnik / Mikhail Alaeddin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    130
    Nos siga no

    O presidente sírio Bashar Assad declarou que a melhoria das relações entre os EUA e a Rússia sob o governo de Donald Trump contribuirá para a regularização da crise síria.

    "Falo da ligação que existe, a melhoria das relações entre os EUA e a Rússia se refletirá positivamente sobre o conflito na Síria", declarou em entrevista aos jornalistas franceses, cujo texto foi publicado pela agência síria SANA, respondendo à questão se a política dos EUA em relação à Síria mudará depois da tomada de posse por Trump.

    O líder sírio sublinhou também que as declarações de Trump são "prometedoras" e são "uma verdadeira tentativa de melhorar as relações entre a Rússia e os EUA" que, segundo Assad, "exercerá influência sobre todos os problemas mundiais, inclusive a Síria".

    Ao mesmo tempo, Assad confirmou que está pronto para negociações sobre a Síria em Astana, destacando que não há quaisquer limites da parte de Damasco.

    "Com certeza, estamos prontos e já anunciamos que a nossa delegação está pronta a ir <…> quando for determinada a data da conferência. Estamos prontos para negociar sobre todos os assuntos. Quando se trata das negociações sobre o fim do conflito na Síria ou o futuro da Síria, qualquer que seja o assunto, estamos abertos. Não há limites nas negociações", disse Assad em entrevista aos jornalistas franceses.

    Mais cedo, o presidente russo Vladimir Putin informou ter acordado com o líder turco Recep Tayyip Erdogan a proposta para as partes beligerantes sírias continuarem o processo de negociações de paz na nova plataforma em Astana. Segundo Putin, esta pode completar as negociações em Genebra.

    O presidente do Cazaquistão Nursultan Nazarbaev apoiou esta iniciativa e declarou a sua prontidão de receber tais negociações em Astana. Espera-se que o encontro em Astana seja realizado em 23 de janeiro, e em Genebra – em 8 de fevereiro, sob aos auspícios do representante especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura.

    Mais:

    Explosão de carro-bomba na província de Damasco mata 5 e deixa 15 pessoas feridas
    Das cinzas: governo sírio aprova plano para reconstrução de Aleppo
    Coalizão, liderada pelos EUA, realizou 38 ataques aéreos na Síria e no Iraque
    Tags:
    resolução, guerra, conflito, negociações de paz, Donald Trump, Bashar Assad, Cazaquistão, EUA, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar