14:00 11 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 71
    Nos siga no

    A contaminação da crise no Oriente Médio pela política interna dos EUA não contribui para a normalização das relações entre Palestina e Israel, opinou o ministério das Relações Exteriores da Rússia ao comentar o discurso do secretário de Estado norte-americano, John Kerry, sobre o processo de paz na região.

    "Infelizmente devemos constatar que em Washington, mais de uma vez, prevalecem os interesses estritamente partidários. Está claro que a contaminação da agenda referente ao Oriente Médio por conflitos políticos americanos internos dificilmente colaborará com o nobre objetivo de uma normalização ampla das relações entre Palestina e Israel. A reação diametralmente contrária ao discurso do secretário de Estado dos EUA por ambas as partes do conflito é a maior prova disso", explica o documento.

    Nesta quarta-feira, Kerry realizou um discurso de mais de uma hora, durante o qual declarou que Israel está sendo governado por uma coalizão de direita e que a sua agenda está sendo ditada por elementos mais radicais.

    Operando com cifras e estatísticas, o secretário de Estado realizou uma projeção da colonização da margem ocidental do rio Jordão e de Jerusalém oriental, que, segundo ele, acabará com as chances de frear a ocupação e de criar um estado Palestino.

    "Além disso, como já dissemos mais de uma vez, o principal não é repetir os conhecidos princípios da normalização entre Palestina e Israel, mesmo que sejam os mais justos. O principal é o trabalho concreto para a sua realização", destaca o ministério das Relações Exteriores da Rússia.

    Mais:

    Ministro de Relações Exteriores da França aprova discurso de Kerry
    Discurso de Kerry foi 'uma grande decepção', diz Netanyahu
    John Kerry pede que Israel e Palestina concordem com fronteiras de 1967
    Tags:
    política internacional, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Oriente Médio, Palestina, Israel, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar