15:25 09 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    481
    Nos siga no

    Na quinta-feira (29), as partes do conflito na Síria atingiram um acordo sobre o cessar-fogo no país, estando dispostas a iniciar negociações de paz, disse o presidente russo Vladimir Putin.

    Pin com retrato dos presidentes da Síria, Bashar Assad, e da Rússia, Vladimir Putin
    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    "Alguns momentos atrás recebemos a informação de que hoje, algumas horas atrás, aconteceu o que não somente esperávamos, mas trabalhamos muito para o aproximar. Foram assinados três documentos. O primeiro documento [foi assinado] entre o governo sírio e a oposição armada sobre o cessar-fogo no território da República Árabe da Síria. O segundo documento é um pacote de medidas de controle do regime do cessar-fogo. O terceiro documento é a declaração que [as partes beligerantes] estão prontas para iniciar negociações de paz sobre a regularização na Síria", disse Putin no encontro com ministros das Relações Exteriores e da Defesa russos.

    No entanto, o presidente russo afirmou que os acordos são muito frágeis e exigem muita atenção, paciência e profissionalismo nos contactos com os parceiros da Rússia. Putin acrescentou que os contatos entre a Rússia, Turquia e Irã contribuíram muito para a assinatura destes acordos.

    De acordo com o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, o cessar-fogo na Síria entrará em vigor à meia-noite de 30 de dezembro. O ministro Shoigu disse que agora na Síria existem todas as condições para o cessar-fogo e para o diálogo entre o governo e a oposição síria que é a favor da integridade territorial do país.

    Mais:

    30 bombardeios na Síria nas últimas 24h, diz Ministério da Defesa da Rússia
    Terroristas disparam contra embaixada russa na Síria
    'Estive no meio do tiroteio e nunca vi mídia ocidental nas zonas de conflito na Síria'
    Tags:
    conflito, acordo, cessar-fogo, Vladimir Putin, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar