17:21 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Bairros leste da cidade de Aleppo, Síria, 2016 (foto de arquivo)

    Mídia: Rússia, Turquia e Irã planejam dividir Síria em zonas de influência

    © Sputnik / Mikhail Alaeddin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    20148
    Nos siga no

    A Síria pode ser dividida em várias zonas de influência não oficiais no âmbito de um acordo entre a Rússia, a Turquia e o Irã, comunica a Reuters ao referir-se a uma série de fontes.

    Mais cedo, a agência Anadolu comunicou que Ancara e Moscou acordaram em aplicar o regime de cessar-fogo em toda a Síria a partir da meia-noite de 29 de dezembro. O porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, afirmou que o Kremlin não possui suficientes informações sobre tais disposições do acordo.

    Segundo diz a Reuters, o presidente sírio, Bashar Assad, permanecerá no poder até, pelo menos, as próximas eleições. Após disso, o cargo do presidente será ocupado por outro candidato, enquanto Assad e sua família receberão garantias de segurança.

    O acordo está em uma fase de elaboração e ainda deve ser discutido com as autoridades sírias, os rebeldes, os países do Golfo Pérsico e os EUA, disse uma fonte familiarizada com a postura russa. Tal acordo possibilitará a criação de autonomias dentro de uma estrutura federal controlada por Assad.

    "Será difícil chegar a um acordo final, mas as posições mudaram", dia a agência, citando o diretor-geral do Conselho Russo para os Assuntos Internacionais, Andrei Kortunov.

    Segundo ele, várias candidaturas para suceder a Assad já foram discutidas, embora a agência se tenha recusado a indicar nomes concretos.

    Mais:

    Terroristas disparam contra embaixada russa na Síria
    30 bombardeios na Síria nas últimas 24h, diz Ministério da Defesa da Rússia
    Opinião: importância da aliança Rússia-Irã na Síria cresce diariamente
    Tags:
    transição, influência, eleições, acordo, negociações, Kremlin, Bashar Assad, Turquia, Irã, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar