07:16 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Os habitantes de Aleppo após a evacuação dos militantes e seus familiares da parte oriental da cidade

    Guerra midiática suja: por que mídia ocidental vê Aleppo com outros olhos

    © Sputnik/ Mikhail Alaeddyn
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Crônicas de Aleppo libertada (64)
    17241

    Visão alternativa sobre o que está acontecendo em Aleppo libertada ao invés da visão da mídia italiana e europeia em geral.

    Após a libertação de Aleppo, em vez das bombas começaram chovendo mentiras de jornalistas europeus, que prestam maior atenção aos "rebeldes moderados inocentes" do que às declarações de Assad e Putin. Os terroristas, apesar de tudo, estão sendo mostrados como uns bravos que até combatem os presidentes sírio e russo. Pelo menos, é a impressão criada quando se lê as maiores edições italianas e europeias.

    O problema é que eles não seguem os acontecimentos de guerra no local, mas apenas estão sentados frente a seus computadores e dispositivos, atacando no twitter e copiando notícias de Al-Jazeera ou publicando artigos sem citar fontes autênticas.

    Mas há outro tipo de jornalistas também. A Sputnik Itália falou com Sebastiano Caputo, que chegou recentemente da Síria onde trabalhou como repórter e é coautor do livro "Às portas de Damasco" ("Alle porte di Damasco").

    "A informação é manipulada todo o tempo: os jornalistas ocidentais, em vez de se dirigirem ao local dos acontecimentos, copiam notícias de canais de TV Al-Arabiya e Al-Jazeera que são controlados respectivamente por Arábia Saudita e Catar, que têm as mãos manchadas de sangue já por mais de cinco anos e que não têm nenhum interesse em oferecer informação objetiva", disse.

    Segundo o jornalista italiano, o objetivo deste comportamento é desestabilizar a Síria e atacar o Irã e a Rússia porque os dois países acima mencionados são aliados dos EUA no Oriente Médio.

    "A cobertura da libertação de Aleppo atingiu seu auge em número de mentiras, embora não devamos esquecer que todas as notícias sobre o tema estão sendo falsificados já por cinco anos", notou.

    Em particular, segundo Caputo, os jornalistas usam fontes anônimas, contas de twitter indistintas, e o site Repubblica até citou a mensagem de um terrorista famoso no Oriente Médio por ser um dos membros da Al-Qaeda.

    O jornalista italiano também partilhou sua posição dura sobre a própria essência da mídia ocidental:

    "A mídia ocidental é hipócrita, eles mostram as pessoas comuns como se elas só morressem por culpa de uma parte do conflito. Isso não me surpreende, porque a Europa e o Ocidente nasceram com base em uma grande hipocricia – falamos da libertação da Europa do nazismo pela América [do Norte]. Os EUA nos libertaram do nazismo lançando bombas sobre Hiroshima e Nagasaki, bombardeando Dresden, Milão e Roma quando a guerra já tinha acabado. Não lhes cabe a eles discursar sobre civis inocentes mortos sem motivo."

    O italiano sublinhou também que a luta ocidental contra terrorismo é falsa. No seu ponto de vista, só três exércitos (sírio, iraniano e russo) combatem os terroristas.

    "Na verdade todo o mundo sabe que os militantes sírios são grupos radicais e mercenários. Os militantes não querem ser filmados em vídeo, durante a evacuação, porque eles não se parecem com sírios. Entre eles há georgianos, chechenos, afegãos e paquistaneses", disse.

    Tema:
    Crônicas de Aleppo libertada (64)

    Mais:

    Como centro médico russo ajuda civis perto de Aleppo
    Vozes da guerra: crianças de Aleppo que sobreviveram ao terrorismo (FOTOS)
    Bana al-Alabed, a 'Anne Frank de Aleppo', é finalmente evacuada
    Tags:
    jornalismo, opinião, guerra midiática, mídia ocidental, Síria, Aleppo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik