21:10 18 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Situação em Aleppo

    Por que mídia ocidental espalha mitos sobre 'atrocidades do exército sírio em Aleppo'?

    NewsTeam
    Oriente Médio e África
    URL curta
    16193
    Nos siga no

    Autoridades e mídia ocidentais estão envolvidas em uma vasta campanha de informação baseada na acusação das forças sírias e russas de assassinato de civis em Aleppo, escreveu o jornalista e comentarista político Alexander Khrolenko em uma matéria para a RIA Novosti.

    Guerra da mídia

    Na terça-feira (13), a Comissão de Direitos Humanos da ONU informou que recebeu relatos sobre o assassinato de no mínimo 82 civis (incluindo 11 mulheres e 13 crianças) pelo exército sírio em Aleppo, em um dia.

    Além disso, a França solicitou a realização de reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação em Aleppo. Ao mesmo tempo, a Turquia e a Arábia Saudita pediram para organizar uma sessão extraordinária da Assembleia Geral da ONU, enquanto o Catar convidou a Liga dos Estados Árabes para discutir a situação na cidade síria.

    "Mídia ocidental está propagando mentiras coordenadas sobre a situação em Aleppo. A Internet está cheia de vídeos mostrando as ‘últimas palavras dos residentes de Aleppo'. Todos eles são filmados com telefones celulares no estilo da emissora da Al-Jazeera. Mas qual seria a razão?", escreveu Khrolenko.

    De acordo com o comentarista político, tudo o que foi escrito acima demonstra que esta guerra na mídia tem "certos objetivos".

    Segundo a lei da anistia, as forças do governo sírio estão deixando sair do leste de Aleppo os militantes que entregam suas armas.

    "Todos esses militantes estão com as mãos sujas de sangue. Uma abordagem humanista não tem nada a ver com as muitas alegações da mídia ocidental sobre 'assassinatos em massa de civis'. Todas essas afirmações são mentira", diz-se na matéria.

    Segundo o jornalista, tal propaganda "desesperada" somente seria útil se os EUA e seus aliados da coalizão estivessem se preparando para uma intervenção na Síria.

     As redes sociais e a mídia estão cheios de "imagens e vídeos aterrorizantes de Aleppo". Segundo Alexander Khrolenko, todos esses vídeos possuem o mesmo estilo e, por trás das câmeras, há "profissionais, incluindo diretores e jornalistas".

    No início desta semana, o Ministério da Defesa russo disse que videoclipes de supostos "ataques aéreos russos, esquadrões de fuzilamento e outras cenas de violência encenadas" em Aleppo, foram produzidos por militantes.

    "Todas as declarações ocidentais se referem a ‘postos de ativistas' e filmes sobre supostos ‘ataques aéreos russos', esquadrões de fuzilamento e cenas que foram filmados por grupos especiais de TV, com a ajuda de militantes. Pensemos, por que algumas mídias utilizam tais meios sem antes verificar a fonte. Aconselho a não acreditar na propaganda dos terroristas", disse o porta-voz do Ministério da Defesa russo, general Igor Konashenkov.

    Coalizão ocidental está perdendo na Síria

    Segundo Khrolenko, a principal razão por trás da histeria da mídia ocidental sobre a situação na Síria é o fato de que a coalizão ocidental está perdendo a luta contra o governo sírio e o presidente Bashar Assad.

    "A coalizão liderada pelos Estados Unidos está perdendo terreno na Síria. Já faz cinco anos que Washington e seus aliados usam forças de oposição e jihadistas na tentativa de derrubar Assad", escreveu.

    Em 14 de dezembro, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse: "Organizações humanitárias independentes não podem confirmar informações sobre atrocidades [do Exército sírio] no leste de Aleppo".

    Aleppo é um dos centros econômicos sírios, situado a 145 quilômetros do maior porto do país, Latakia, e de um estabelecimento militar russo. Aleppo é a porta de entrada para o norte da Síria, permitindo o controle sobre as áreas de fronteira com a Turquia e o noroeste do Iraque.

    "A libertação de Aleppo tem enfraquecido significativamente os islamistas na província vizinha de Idlib e criou uma ameaça aos grupos jihadistas em Raqqa e Deir ez-Zor, bem como campos petrolíferos controlados por militantes no vale do Eufrates. Isso também ajudará a conter as rendas e comunicações comerciais com a Turquia", diz o artigo.

    Segundo o autor, opositores de Bashar Assad compreendem a importância da libertação de Aleppo, por isso tentam desesperadamente distrair o exército sírio da cidade, como por exemplo, o recente ataque a cidade de Palmira.

    'Rebeldes' de Aleppo não são heróis

    Chega a ser surpreendente, mas o jornal britânico The Independent forneceu uma visão da situação diferente das outras mídias ocidentais.

    "Nós nos referimos a eles como ‘rebeldes', como se eles fossem os maquis lutando na resistência francesa ou os partidários na libertação da Iugoslávia dos nazistas ou, até mesmo, os insurgentes de Varsóvia que lutaram contra o partido nazista alemão. O que eles claramente não são", escreveu o jornalista Robert Fisk em um artigo.

     Segundo ele, não há verdadeiros "rebeldes" em Aleppo, exceto aqueles que são filmados para propagação da propaganda.

    "Durante meses, repórteres ocidentais não conseguiram declarar o óbvio: que eles não podem enviar suas remessas a partir das áreas "rebeldes", pois os "rebeldes" abririam suas gargantas ou os entregariam aos outros "rebeldes" que o fariam", notou o jornalista.

    Mais:

    Poroshenko: UE deve impor sanções à Rússia por suas ações em Aleppo
    Militantes estão sendo evacuados de Aleppo
    Centro de Reconciliação russo acompanha situação em Aleppo por meio de drones e câmeras
    Tags:
    militantes sírios, mídia ocidental, exército sírio, mito, militantes, ataque aéreo, rebeldes, terroristas, partidário, ataque, mídia, Assembleia Geral da ONU, Guerra Civil Síria, RIA Novosti, SS, Ministério da Defesa (Rússia), Nações Unidas, ONU, Igor Konashenkov, Sergei Lavrov, Bashar Assad, Raqqa, Aleppo, Palmira, Varsóvia, Catar, Turquia, Arábia Saudita, Síria, EUA, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar