15:39 14 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Drone mostra bairros de Aleppo libertados dos rebeldes armados

    Parte da imprensa árabe manipula notícias sobre a vitória em Aleppo

    © Sputnik .
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Crônicas de Aleppo libertada (64)
    13218
    Nos siga no

    Grupos contrários à libertação de Aleppo pelo exército da Síria usam fotografias antigas de mulheres e crianças mortas ou feridas para ilustrar as falsas alegações de violência das tropas de Damasco contra a população civil.

    No âmbito da campanha contra o exército sírio em Aleppo, parte da imprensa e páginas populares nas redes sociais usaram fotografias da Faixa de Gaza ou fotografias de 2015 e 2014 como "provas da violência do exército do regime" contra a população civil de Aleppo.

    A emissora saudita Al-Arabiya, conhecida por sua posição agressiva contra o exército da Síria, publicou nesta quarta-feira, 14 de dezembro, uma notícia com o título: "cobertura incomum dos últimos acontecimentos em Aleppo com detalhes". A notícia foi ilustrada por uma fotografia de membros da organização "Capacetes Brancos", que estão retirando um menino dos escombros de um prédio. O rosto do garoto está ensanguentado. Vale destacar que os "Capacetes Brancos" foram denunciados diversas vezes por jornalistas de todo o mundo. A organização estaria vinculada ao grupo terrorista Frente al-Nusra.

    Capacetes Brancos resgatam criança em Aleppo
    Reprodução da internet
    Capacetes Brancos resgatam criança em Aleppo, segundo Al Arabiya, a imagem seria de dezembro

    Além disso, uma outra imagem dos "Capacetes Brancos" com a mesma criança pode ser vista no jornal Aliwaa, na edição de 25 de novembro de 2016, o que gera dúvidas sobre a cobertura "permanente e atual" dos acontecimentos em Aleppo pela emissora Al-Arabiya.

    Edição de 25 de novembro de 2016 do jornal Aliwaa apresenta essa imagem
    Reprodução da internet
    Mesma criança pode ser vista no jornal Aliwaa, na edição de 25 de novembro de 2016

    Ao mesmo tempo, na página popular da comunidade árabe no Facebook "Memories ツ ツ" foi publicada, em 13 de dezembro de 2016, às 10:52, uma mensagem dedicada às "orações por Aleppo". Em poucas horas, a mensagem recebeu mais de 14 mil curtidas, mais de 10 compartilhamentos e cerca de 400 comentários (até o momento desta publicação).

    Vale destacar que a página "Memories ツ ツ" parece, à primeira vista, ser um canal de notícias divertidas sobre diversos temas. Porém, de tempos em tempos, o site divulga notícias falsas sobre violência contra a população síria, usando fotografias também falsas. Dezenas de leitores da página repostam o seu conteúdo, tomando essas informações por verdadeiras e sem conferir a veracidade do texto e das ilustrações.

    Na mensagem acima, o autor se dirige a Deus. "Meu Deus, perdemos todas as esperanças, além da esperança em Ti, perdemos confiança em tudo, menos em Ti, Você é a nossa única esperança! Por favor, livre o povo de Aleppo do mal". Enquanto o exército sírio libertava Aleppo e garantia uma rota segura para o retorno da população às suas casas, a página publicou uma fotografia de um grande grupo de refugiados deixando as suas casas destruídas.  

    Essa mesma fotografia foi usada no site BBC Arabic em 15 de março de 2014 em uma matéria intitulada: "Estrelas ao redor do mundo pedem à ONU para aplacar o sofrimento dos sírios".

    Imagem foi usada pela BBC Arabic em 15 de março de 2014
    Reprodução da internet
    BBC Arabic em 15 de março de 2014

    A página "Memories ツ ツ" não parou por aí e publicou uma outra mensagem em "apoio" à população de Aleppo. A mensagem, publicada em 13 de dezembro, às 11:23, e que recebeu 3 mil curtidas, 1000 compartilhamentos e centenas de comentários, vem acompanhada por uma foto de supostas crianças sírias mortas.

    Essa mesma fotografia, em 21 de julho de 2014, foi usada no tweet de um famoso blogger árabe, @MazenAlhddabi, sobre ataques de Israel à Faixa de Gaza.

    Tema:
    Crônicas de Aleppo libertada (64)
    Tags:
    farsa, imprensa, Al-Arabiya, Aleppo, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar