14:58 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Vista de Teerã, capital iraniana

    Irã poderá desenvolver sistema de propulsão nuclear naval

    © Fotolia/ Borna_Mir
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2110

    O presidente iraniano Hassan Rouhani ordenou ao chefe da Organização de Energia Atômica do Irã Ali Akbar Salehi para iniciar o desenvolvimento de um sistema propulsor nuclear para navios.

    A decisão acontece em resposta à eventual violação pelos EUA do Plano Abrangente de Ação Conjunta referente ao programa nuclear iraniano.

    Antes, Rouhani ameaçou responder com medidas caso o presidente americano Barack Obama promulgue a lei que prevê prorrogação de sanções contra o Irã por dez anos, assinada por ambas as câmaras do Congresso.

    Na opinião do líder iraniano, as intenções dos EUA violam o acordo nuclear que prevê o levantamento das sanções contra o Irã.

    A Sputnik cita a carta de Rouhani com a sua ordem para "desenvolver um projeto nuclear, para ser usado na área de transporte marítimo, em conjunto com os centros de pesquisa".

    As conversações do chamado sexteto de negociadores internacionais com o Irã foram concluídas em 14 de julho de 2015 com um acordo histórico para controlar o programa nuclear de Teerã em troca do levantamento das sanções internacionais. Foi também adotado o Plano Abrangente de Ação Conjunta sobre o programa nuclear iraniano. O acordo foi feito para garantir o uso pacífico da tecnologia nuclear iraniana e aliviar as sanções econômicas contra o país. Após entrar em vigor em 16 de janeiro, o acordo foi respeitado pelo Irã, segundo declararam representantes da AIEA.

    Mais:

    Irã poderá cancelar acordo nuclear caso EUA não cumpram o esperado
    China exige 'boa-fé' de Trump para não obstruir acordo nuclear com o Irã
    Tags:
    programa nuclear iraniano, sanções, nuclear, sistema, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Congresso dos EUA, Barack Obama, Ali Akbar Salehi, Hassan Rouhani, EUA, Teerã, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik