10:06 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Um soldado russo se aproxima de um veículo militar no bairro de Hanono, controlado por forças governamentais de Assad, em Aleppo, na Síria, em 4 de dezembro de 2016

    Militantes bombardeiam bairros residenciais de Aleppo enquanto exército sírio faz ofensiva

    © REUTERS / Omar Sanadiki
    Oriente Médio e África
    URL curta
    272

    Na sexta-feira (9), grupos armados, que continuam retendo vários bairros de Aleppo oriental, bombardearam com mísseis um dos bairros controlados pelo governo, informou uma fonte militar à agência RIA Novosti.

    Segundo informado, o bairro em questão é o ez-Zahra, que vem sendo alvo de terroristas. A fonte aponta que o ataque não deixou vítimas e que alguns feridos receberam assistência médica.

    Em 9 de dezembro, a artilharia do exército sírio reiniciou ataques contra as posições e postos de comando de grupos radicais em Aleppo oriental. As ofensivas foram retomadas em toda a frente de combate após o término da operação de larga escala que visava retirar civis da zona de ações militares. O comboio composto de 8 mil pessoas ultrapassou mais de cinco quilômetros, todos os residentes foram levados para abrigos provisórios.

    Durante as últimas três semanas, tropas sírias e a milícia libertaram mais de 80% do território de Aleppo oriental, dominado pelos terroristas em 2012. Segundo as fontes da milícia, atualmente, os radicais estão controlando oito bairros urbanos.

    Entretanto, vários analistas entrevistados pela RIA Novosti acham que a sequência de vitórias decisivas do exército sírio dá razão para acreditar na libertação de Aleppo oriental já nos próximos dias.

    Mais:

    Militares russos neutralizam minas em seis hectares habitacionais de Aleppo oriental
    ONU pede garantias de segurança para entregar ajuda humanitária à população de Aleppo
    EUA lamentam bombardeio de hospital russo em Aleppo
    Tags:
    milícia, grupos armados, ofensiva, comboio, exército sírio, RIA Novosti, Síria, Leste de Aleppo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik