22:51 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Teerã comemora acordo nuclear

    Irã poderá cancelar acordo nuclear caso EUA não cumpram o esperado

    © AP Photo / Ebrahim Noroozi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    291

    O Irã poderá abandonar o acordo sobre o programa nuclear, caso os EUA e outros parceiros ocidentais do Plano de Ação Conjunto Global continuem a política de pressão e não cumpram suas obrigações, acredita o analista da agência iraniana Fars, Said Yasser Gzhabraili.

    Em 14 de julho de 2015, o Irã e os "seis" mediadores internacionais firmaram acordo histórico sobre a resolução do problema nuclear iraniano de muitos anos. Com a execução do plano de ações conjuntas globais, o acordo previa a remoção das sanções econômicas e financeiras iranianas, anteriormente introduzidas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, Estados Unidos da América e pela União Europeia. O plano entrou em vigor no dia 16 de janeiro.

    "É bem provável que isso aconteça. Se o Ocidente colocar empecilhos no caminho, se não cumprir as suas obrigações, o Governo [do presidente do Irã, Hassan] Rohani, que firmou o acordo, pode cancelá-lo", disse analista da agência iraniana Fars durante encontro com jornalistas em Teerã.

    Gzhabraili relembrou que o governo do ex-presidente Mohammad Khatami tomou tal medida.

    "Eu critico o Plano de Ação Conjunto Global desde o momento de sua assinatura e continuo pensando da mesma forma. Mas gostaria de ressaltar: Eu não critico a existência do acordo, pois acordos são necessários, mas havia e ainda há observações importantes sobre o conteúdo do documento. Além disso, estamos preocupados, pois assim que Teerã aceitou todas as condições, o Ocidente começou a propor novas condições, todas relacionadas ao programa nuclear", disse o analista.

    Segundo ele, "os americanos nunca, nem antes da assinatura do acordo, nem após a sua assinatura, pensaram em remover as sanções impostas contra o Irã, independentemente das circunstâncias".

    O especialista sublinhou que o regresso do Irã ao mercado de petróleo não compensará as perdas econômicas enfrentadas pelo país iraniano devido às sanções impostas.

    "Sim, estamos produzindo mais petróleo, mas ao comparar o preço do barril há cinco anos e agora, a diferença é óbvia. Além disso, os fundos que permanecem nas contas dos bancos europeus não são devolvidos para nós", disse Gzhabraili.

    Anteriormente, o presidente iraniano Rohani ameaçou aplicar medidas de resposta aos EUA, caso o presidente norte-americano, Barack Obama, assinasse a lei sobre a extensão das sanções contra o Irã. A declaração de Rohani foi feita, pois os planos de Obama previam a assinatura da lei de extensão das sanções contra o Irã por mais 10 anos, que foi aprovada por ambas as câmaras do Congresso. De acordo com o presidente iraniano, a intenção dos EUA viola o acordo nuclear anterior, que assegurava a remoção de uma série de sanções contra o Irã.

    Mais:

    Futuro do acordo nuclear com o Irã divide EUA
    Irã ameaça romper com acordo nuclear se EUA prorrogarem sanções contra Teerã
    Chancelaria do Irã: prorrogação de sanções contra Teerã minará a confiança nos EUA
    Obama assinará prorrogação das sanções contra Irã
    Por que sanções contra Coreia do Norte não fazem tanto sentido como contra Irã?
    Tags:
    fundos, perdas, petróleo, mercado, assinatura, sanções, acordo nuclear, Plano Integrado de Ação Conjunta, Fars, Hassan Rohani, Ocidente, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik