20:40 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente turco Recep Tayyip Erdogan durante discurso

    Opinião: ao falar de Assad, Erdogan se esquece da tentativa de golpe no seu próprio país

    © AFP 2017/ ADEM ALTAN
    Oriente Médio e África
    URL curta
    15234

    A declaração do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, relacionada ao objetivo do exército turco na Síria de destituir o presidente sírio Bashar Assad, que, segundo ele, não passou de uma reação de excesso de emoção, dificilmente terá grande impacto sobre a situação na Síria e sobre as relações com a Rússia.

    Eis o que acredita Viktor Ozerov, chefe do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação da Rússia (câmara alta do parlamento russo).

    Em entrevista à agência RIA Novosti, Ozerov opinou que, ao pronunciar tais declarações, o líder turco, obviamente, esquece a recente tentativa de golpe militar na própria Turquia.

    Durante o simpósio interparlamentar, realizado em Istambul, Erdogan anunciou que as forças turcas iniciaram a operação militar na Síria para pôr fim à gestão de Bashar Assad.

    "Creio que a declaração [de Erdogan] tenha sido um manifesto de emoções, dirigida ao país, onde foi feita, ou seja, ao país-sede do simpósio científico. Estou convencido de que esse anúncio não afetará de maneira drástica os objetivos e as metas perseguidas pela Força Aeroespacial russa e pelo exército turco na Síria, bem como as relações entre Ancara e Moscou", ressaltou Ozerov.

    Líderes da Organização de Cooperação de Xangai  (SCO)
    © AP Photo/ Mikhail Klimentyev, Presidential Press Service
    O parlamentar russo tem certeza de que Erdogan não planeja guerrear contra o povo e exército sírios, nem "revirar as relações com a Rússia em 180 graus", pois, além das relações possuírem um componente político, têm uma "grande bagagem em termos econômicos".

    Ozerov sugere que "a declaração feita por Erdogan esteja relacionada ao seu receio sobre possível criação de uma autonomia curda na Síria".

    Segundo Ozerov, Erdogan não deve esquecer as "numerosas reclamações" ligadas à sua administração, que levaram ao impasse nas negociações sobre eventual adesão da Turquia à União Europeia.

    Mais:

    Ex-embaixador turco na França: Turquia não deseja mais ser membro da União Europeia
    (EXCLUSIVO) Entrevista com general sírio: EUA e Turquia apoiam Daesh na Síria
    Tags:
    declaração, tentativa de golpe, operação militar, exército sírio, autonomia curda, Conselho da Federação, RIA Novosti, Bashar Assad, Viktor Ozerov, Recep Tayyip Erdogan, Istambul, Moscou, Rússia, Ancara, Síria, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik