06:17 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Vista da pista de decolagem da base aérea iraniana de Hamadã da cabine de um Su-34 russo durante a operação militar contra o Daesh na Síria

    Irã 'pode mudar legislação' para acolher Força Aeroespacial russa

    Ministério da Defesa da Rússia
    Oriente Médio e África
    URL curta
    82190272

    Será que a República Islâmica do Irã vai permitir presença permanente do contingente militar russo?

    Ontem (26), o ministro da Defesa do Irã, Hosein Dehghan, informou que Teerã pode voltar a permitir o uso da base aérea de Hamadã pela Força Aeroespacial russa.

    Esta base foi usada pela aviação russa em meados deste ano como trampolim para atacar alvos terroristas na Síria.

    De acordo com Aleksandr Perendziev, perito militar e docente da Universidade Russa de Economia, a declaração causa otimismo.

    "A declaração [do ministro Dehghan] confirma que as autoridades militares e políticas do Irã estão prontas para aceitar alterações na legislação da República Islâmica do Irã para que a Rússia possa usar esta base [de Hamadã]", disse o especialista em entrevista à agência de notícias RIA Novosti.

    Segundo Perendzhiev, a base poderá ser cedida à Rússia por "cinco anos inicialmente".

    A notificação sobre o uso da base foi feita a posteriori pelo Ministério da Defesa russo em agosto, quando confirmada por ele a decolagem de aviões russos a partir da base iraniana.

    Depois, em agosto também, o uso da base aérea de Hamadã foi interrompido. O Ministério da Defesa do Irã chegou a criticar Moscou por ter divulgado informações sobre a base sem informar previamente a Teerã, mas nunca chegou a excluir a possibilidade da volta de aviões russos para o Irã.

    Mais:

    Marinha iraniana obriga navio americano de mudar de rumo
    Rússia instala bombardeiros em base iraniana que EUA podiam usar 'antes de 1979'
    Tags:
    Ministério da Defesa do Irã, Ministério da Defesa (Rússia), Hossein Dehghan, Hamadã, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik