01:29 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    A bandeira do estado da república árabe-síria perto de igreja ortodoxa em um bloco cristão velho de Aleppo, Síria

    Trump e Fillon poderiam ter impedido a crise síria

    © Sputnik / Michael Alaeddin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    151

    O chefe do Centro francês para Assuntos Políticos e Estrangeiros disse à Sputnik que Donald Trump e François Fillon poderiam ter evitado a crise síria se na altura eles tivessem sido os líderes de suas nações.

    O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, e o candidato presidencial francês François Fillon poderiam ter impedido a crise síria pós-2011 se na altura tivessem sido eles os líderes de seus países, disse o chefe do Centro para Assuntos Políticos e Estrangeiros, Fabien Baussart, à Sputnik na sexta-feira (25).

    "Se François Fillon e Donald Trump fossem os presidentes de seus respectivos países em 2011 ou 2012, nós poderíamos possivelmente ter evitado esses terríveis anos de absurdas reuniões e decisões dos aliados da Síria, do Reino Unido e França", disse Baussart.

    O envolvimento da Rússia no conflito e a sua campanha antiterrorista na Síria ajudaram a prevenir um número ainda maior de vítimas, sublinhou, acrescentando que o governo do país árabe poderia ter colapsado e o seu território sido tomado por islâmicos radicais.

    A vitória de Trump na eleição presidencial dos EUA de novembro abre um caminho para um diálogo genuíno russo-americano na resolução da crise, de acordo com Baussart.

    "A eleição de Donald Trump como presidente dá esperança, a esperança de iniciar um verdadeiro diálogo com a Rússia", disse ele.

    François Fillon é o único candidato presidencial capaz de estabelecer um diálogo com a Rússia, disse Baussart à Sputnik.

    "Este é o único candidato que tem uma visão geoestratégica, que entende a Rússia e pode dialogar com a Rússia… Ele não irá defender os interesses russos, ele irá promover os interesses da França, mas fá-lo-á como amigo", disse Baussart sobre a possível presidência de Fillion.

    Baussart observou que ele não prevê a vitória de Fillon nas eleições presidenciais francesas, mas sublinhou que o ex-primeiro-ministro francês tem chances reais de vencer.

    No dia 24 de novembro, François Fillon e Alain Juppe venceram a primeira rodada das primárias da coligação de direita e centro-direita francesa, o primeiro conseguindo 44% dos eleitores, muito à frente de seu rival. A segunda e última rodada das primárias entre Fillon e Juppe está marcada para 27 de novembro. As eleições presidenciais na França irão decorrer a 23 de abril de 2017. Fillon tem repetidamente feito declarações sobre a importância de envolver a Rússia na resolução da crise da Síria.

    Em outubro, Donald Trump Jr., filho do presidente eleito dos EUA, participou de um evento organizado pelo grupo de especialistas de Baussart, que também contou com a participação de representantes da oposição síria. Randa Kassis, a presidente do movimento de oposição sírio Sociedade Pluralista, disse que ela e Trump discutiram no evento como os Estados Unidos e a Rússia poderiam chegar a um acordo para acabar com a guerra na Síria.

    O primeiro turno das eleições presidenciais na França será em abril de 2017.

    Mais:

    J. K. Rowling envia livros da série 'Harry Potter' para fã de 7 anos na Síria
    Enviado da ONU para Síria desmente relatos de sua demissão
    Tags:
    presidente, crise, Guerra Civil Síria, Donald Trump Jr, Donald Trump, Síria, EUA, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik