20:15 20 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Crianças sírias

    Como a guerra influencia as crianças sírias

    © Sputnik/ Nour Melhem
    Oriente Médio e África
    URL curta
    739802

    De acordo com um relatório da UNICEF, 3,7 milhões de crianças sírias já nasceram depois do início da guerra em 2011. Delas, 306 mil nasceram de refugiados sírios no estrangeiro. Assim, cada terceira criança síria é filha da guerra. No total, 8,4 milhões de crianças foram vítimas da guerra, o que corresponde a 80% do número total de pequenos sírios.

    Apenas durante 2015, foram relatados 1.500 casos de violações dos direitos das crianças na Síria, entre os quais 60% são classificados como assassinatos e danos corporais. Desses casos 30% ocorreram na escola ou no seu trajeto.

    A Doutora em Sociologia síria, Amina Al-Khaj, em uma entrevista à Sputnik Àrabe confirmou que o impacto destrutivo da guerra afetou um grande número de crianças. Elas não têm nenhum abrigo para se esconder da terrível realidade, porque tanto a família como a escola estão de alguma forma destruídas.

    Crianças sírias
    © Sputnik/ Nour Melhem
    Crianças sírias

    As crianças estão impedidas de praticar esportes ou alguma atividade. Os direitos fundamentais da criança à educação e a brincar são-lhes negados. Muitas crianças mendigam nas ruas, algumas estão envolvidas em coisas mais perigosas.

    Agora nós enfrentamos um fenômeno tão terrível como o recrutamento de crianças para as fileiras dos terroristas. Os pequenos sírios têm bastante motivos para isso: a morte de um familiar, ideias contagiantes que pairam no ar e também o dinheiro é necessário.

    A tarefa de psicólogos, tanto sírios como estrangeiros, é fornecer o apoio psicológico necessário às crianças sírias. Mesmo que hoje não vejamos o efeito destrutivo da guerra, ele se vai revelar certamente mais tarde, mas este é o nosso futuro. Portanto, é agora que a isto deve ser dada a máxima atenção.

    Tags:
    direitos, criança, Guerra Civil Síria, Unicef, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik