06:24 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2221
    Nos siga no

    A base russa na Tartus síria poderá se tornar uma plena base naval russa no exterior dentro de 2-3 anos, depois da assinatura do acordo correspondente e da sua ratificação, disse à agência russa RIA Novosti o presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação (câmara alta do parlamento russo), Viktor Ozerov.

    Em outubro, o Ministério da Defesa russo anunciou seu desejo de criar uma base naval permanente na cidade portuária síria de Tartus.

    "Tendo em conta as minhas impressões da visita à base e os planos para aperfeiçoar a infraestrutura, sobre os quais o comando do nosso grupo militar na Síria nos informou, posso dizer que não pretendemos deixar na gaveta a modernização de Tartus de acordo com as exigências mais modernas. Entretanto, a contagem de tempo até à modernização de Tartus só se iniciará depois de o acordo sobre ela ser assinado e ratificado", disse o senador russo.

    Ele afirmou que durante um ano e meio ou dois anos a base poderá se tornar em uma plena base da Marinha russa no exterior, capaz de oferecer um amplo leque de serviços de manutenção de navios militares, inclusive vários tipos de reparação e recuperação.

    Além disso, o senador russo não excluiu que o acordo possa ser assinado por 49 anos.

    "Talvez seja assinado um acordo não de caráter perpétuo, mas por um prazo de 49 anos, como antes já tinha informado a mídia", disse Ozerov.

    Segundo o senador russo, depois da modernização, Tartus será capaz de receber até os navios de primeira categoria, inclusive o porta-aviões Admiral Kuznetsov.

    Os navios de primeira categoria incluem grandes navios de superfície (porta-aviões, cruzadores antimíssil e antissubmarino), bem como submarinos.

    Mais:

    Base em Tartus garantirá à Rússia a posição 'mais poderosa' no Mediterrâneo
    Tags:
    Rússia, Síria, Tartus, acordo, modernização, base naval, navios
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar