07:02 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Cidade de Aleppo na Síria (foto de arquivo)

    Ministro belga: UE deve participar da resolução da crise síria junto com EUA e Rússia

    © AFP 2017/ GEORGE OURFALIAN
    Oriente Médio e África
    URL curta
    121

    A UE deve ser mais ativa na resolução da crise síria, disse o ministro das Relações Exteriores da Bélgica na segunda-feira.

    A União Europeia deve participar mais ativamente da resolução da crise síria e não apenas monitorar as medidas tomadas pela Rússia e pelos Estados Unidos, disse o ministro das Relações Exteriores da Bélgica na segunda-feira (14).

    A União Europeia deve assumir a sua posição a respeito da procura de uma solução política para a Síria: "Este será o principal objetivo para os próximos meses, de forma a garantir que as discussões ocorram não só entre Washington e Moscou, mas que a União Europeia também seja envolvida na questão", disse Didier Reynders aos jornalistas antes da reunião dos ministros das Relações Exteriores da UE.

    Em outubro, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, visitou o Irã e a Arábia Saudita para manter negociações sobre a resolução da crise síria.

    A guerra civil na Síria entre as forças governamentais e numerosos grupos rebeldes, incluindo grupos abertamente terroristas como o Daesh e a Frente Fatah al-Sham (também conhecido como Frente al-Nusra), já dura por cinco anos, tendo resultado em centenas de milhares de mortos.

    Em 9 de setembro, a Rússia e os Estados Unidos chegaram a acordo para o processo de paz na Síria. O acordo de cessar-fogo, que entrou em vigor em 12 de setembro, devia durar pelo menos sete dias para serem tomadas as medidas seguintes, mas acabou por fracassar.

    Mais:

    Trump pode ajudar a sair do impasse na Síria, mas 'o diabo está nos pormenores'
    Netanyahu quer impedir influência militar do Irã na Síria
    Maduro acredita que Trump vai tirar EUA de guerras na Síria e Iraque
    Tags:
    Frente Fatah al-Sham, Daesh, Didier Reynders, Bélgica, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik