01:37 24 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Tropas líbias em combate com militantes do Daesh em Sirte

    Exército líbio promete 'limpar' país de terroristas

    © REUTERS / Goran Tomasevic
    Oriente Médio e África
    URL curta
    121

    O exército líbio baseado no leste do país e chefiado pelo marechal Khalifa Haftar pretende "limpar" todo o território do país dos terroristas, incluindo as regiões do oeste do país.

    O anúncio foi feito pelo porta-voz do exército líbio, coronel Ahmed al-Mismari, à agência RIA Novosti.

    Al-Mismari destacou o sucesso do exército líbio no combate aos terroristas no leste da Líbia. Segundo ele, a luta é travada contra o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e em vários outros países), a associação Irmandade Muçulmana e outras organizações terroristas.

    "Neste momento está decorrendo o cerco a Derna (cidade no nordeste da Líbia capturada pelo Daesh em 2014), cidade em que se entrincheiraram grupos terroristas", comunicou o coronel.

    Segundo ele, tomando em conta o embargo ao fornecimento de armas, o exército líbio está se armando a si mesmo com armas que os militares capturam ao Daesh, sendo essa a principal origem de seu armamento.

    Al-Mismari se dirigiu à comunidade internacional pedindo o levantamento do embargo ao fornecimento de armas ao exército líbio e o apoio ao governo legítimo, representado pelo parlamento eleito da Líbia, para solucionar a crise e erradicar o terrorismo.

    Segundo ele, as operações das forças militares estrangeiras na Líbia violam a soberania do país.

    "As forças americanas que bombardeiam Sirte causam a fuga em massa de milhares de cidadãos", destaca o coronel. Segundo ele, as ações dos EUA estão provocando a destruição da cidade.

    Mais:

    Rússia não vai permitir repetição do Iraque e da Líbia na Síria
    Rússia salvou Síria de 'repetir os destinos da Líbia e do Iraque'
    Tags:
    soberania, embargo de armas, armamento, terroristas, exército, Irmandade Muçulmana, Daesh, EUA, Sirte, Rússia, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar