21:33 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Fuzileiros navais norte-americanos em al-Qaim, perto da fronteira síria, oeste do Iraque

    EUA continuarão apoiando parceiros na Síria em ofensiva contra Raqqa – Pentágono

    © AFP 2017/ USMC
    Oriente Médio e África
    URL curta
    11155349

    O porta-voz oficial do Departamento de Defesa dos EUA, Peter Cook, declarou hoje (7), em entrevista coletiva, que Wasignton continuará apoiando seus parceiros na Síria durante a operação visando libertação da cidade de Raqqa, capital do autoproclamado califado do grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico).

    A ofensiva de larga escala para isolar e, consequentemente, libertar Raqqa dos terroristas foi anunciada no domingo (6) pelas Forças Democráticas da Síria (SDF), lideradas por curdos.

    "Elogiamos os esforços realizados por forças locais, que travam a batalha por Raqqa. Com a ajuda da coalizão, ele terão sucesso. Na realidade, as forças SDF já alcançaram progresso desde o início da ofensiva contra Raqqa, no sábado. Continuarem apoiando os parceiros "por terra" na Síria, quando eles começarem a bloquear Raqqa, e daremos continuidade a um trabalho estreito junto a todos os membros da coalizão para garantir o sucesso dessa operação e a eliminação do "câncer" Daesh" – disse o porta-voz do Pentágono.

    Até o momento, o governo oficial de Damasco ainda não reagiu ao início desta ofensiva. Vale destacar que os EUA, que, segundo tudo indica, darão um apoio aéreo à esta operação, atuam em território sírio sem a autorização das autoridades legítimas desse país.

    A operação em Raqqa deve se tornar a segunda grande ofensiva contra o Daesh (proibido na Rússia e em diversos países) nas últimas semanas. No início de outubro as forças armas do Iraques, apoiadas pelos EUA e grupos armados da região, iniciaram um operação para libertar a cidade iraquiana de Mossul, considerada a segunda capital deste grupo terrorista.

    Tags:
    apoio, ofensiva, Pentágono, SDF, Peter Cook, Raqqa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik