11:06 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Combatentes da milícia Hasdi Sabi durante a operação militar em Mossul, Iraque, novembro de 2016

    Milícia iraquiana: Não precisamos de apoio aéreo dos EUA

    © Sputnik/ Hikmet Durgun
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ofensiva de Mossul (96)
    61466140

    Uma das forças que age de forma mais eficiente contra o Daesh em Mossul, a milícia Hasdi Sabi, crítica de forma violenta as ações norte-americanas no Iraque.

    O comandante do destacamento turcomeno dessa milícia, Ahmet Arslan, disse à Sputnik Turquia que a milícia não precisa de apoio aéreo norte-americano e acusou os EUA de uma posição hipócrita em relação à luta contra o Daesh.

    "Não queremos que os EUA intervenham na situação no território iraquiano. Nós expressamos a nossa posição ao primeiro-ministro do Iraque [Haider] al-Abadi. A milícia Hasdi Sabi não precisa de apoio aéreo norte-americano no âmbito da operação para libertação de Mossul do Daesh, o qual foi criado pelos EUA", disse.

    Falando sobre a operação em Mossul, ele sublinhou que as forças obtiveram êxitos no avanço para o sul de Mossul. Um grande número de vilas e povoações nos arredores da cidade já foi libertado. Os militantes perdem cada vez mais forças todos os dias.

    "Entretanto, o poderio do Daesh foi exagerado pelos esforços da imprensa norte-americana. Ao mesmo tempo, as armas que usam os militantes do Daesh e mesmo a água que bebem – eles recebem aqui tudo isso dos EUA", disse Arslan, acrescentando que é por isso que eles pensam que os EUA têm uma posição hipócrita em relação à luta contra o Daesh.

    Tema:
    Ofensiva de Mossul (96)

    Mais:

    Líder do Daesh consegue fugir de Mossul
    Zakharova chama operação da coalizão em Mossul de carnificina medieval
    Iraque lança ofensiva contra último bastião de Mossul
    Sputnik esteve em bairro de Mossul, liberado do Daesh pelas tropas iraquianas
    Tags:
    milícia, apoio, forças, terroristas, Daesh, Mossul, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik