20:14 20 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Pentágono envia militares das Forças Especiais para combater o Estado Islâmico na Síria

    Chefe do Pentágono reconhece que radicais podem fugir de Mossul para Síria

    © flickr.com/ The U.S. Army
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6148208

    Os combatentes do agrupamento terrorista Daesh, cercados na cidade iraquiana de Mossul, podem se deslocar para a Síria, manifestou o Secretário da Defesa norte-americano, Ashton Carter, citado pela agência de notícias russa RIA Novosti.

    No decorrer de uma entrevista coletiva, realizada na base militar de Fort Leonard Wood, no estado de Missouri, os jornalistas perguntaram se expulsar os terroristas de Mossul para a Síria fazia parte do plano de libertação da cidade. Carter não entrou em detalhes sobre o plano, mas disse que este existe já há mais de um ano.

    "O plano sempre consistiu em cercar Mossul nas direções leste, norte e sul", comunicou o chefe do Pentágono.

    Segundo disse o alto funcionário, a única coordenada não mencionada é destinada para que os civis "possam deixar suas casas para receber apoio por parte da ONU e outras organizações".

    "É possível que os combatentes do Daesh tenham fugido em direção à Síria… Então os eliminaremos na Síria", acrescentou o ministro norte-americano.

    Com o apoio das YPG (Unidades de Proteção Popular) curdas e da coalizão internacional, chefiada pelos EUA, em 17 de outubro, o exército iraquiano começou a conduzir uma operação para libertar Mossul dos radicais que a controlam desde 2014.

    Mais:

    Pentágono: coalizão liderada pelos EUA prepara operação contra Daesh em Raqqa, na Síria
    Batalha por Raqqa: o que querem os EUA com sua operação 'urgente' na Síria?
    Exército iraquiano descobre mísseis americanos em base do Daesh em Mossul
    Tags:
    operação militar, coalizão internacional, combate ao terrorismo, terrorismo, Guerra Civil Síria, Daesh, Exército do Iraque, Unidades de Proteção Popular (YPG), ONU, Pentágono, Ashton Carter, Síria, Mossul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik