16:44 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Militar do exército iraquiano, no sul de Mossul em 24 de outubro de 2016

    Washington pede ajuda a Moscou nas investigações dos ataques em Mossul

    © AFP 2017/ AHMAD AL-RUBAYE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ofensiva de Mossul (96)
    4128652

    Os bombardeios da coalizão internacional perto de Mossul resultaram em dezenas de vítimas entre os civis, em particular foi atacada a escola para as meninas. Os EUA já pediram ajuda à Rússia na investigação dos incidentes.

    O chefe da Direção-Geral Operacional do Estado-Maior do Exército russo, Sergei Rudskoy, disse que, nos últimos três dias, na sequência das ações da coalizão, morreram mais de 60 civis, cerca de duas centenas sofreram ferimentos.

    De acordo com o Ministério da Defesa russo, em 21 de outubro um avião americano atingiu uma escola para meninas no sul de Mossul. No dia seguinte, os pilotos bombardearam áreas dos povoados de Karakosh e Hazna, a leste de Mossul.

    Em 23 de outubro, os americanos lançaram uma bomba em Кarakharab e Ash-Shura, destruindo várias instituições sociais.

    Após o início da ofensiva da coalizão contra Mossul, o Estado-Maior russo anunciou que vai acompanhar o desenvolvimento da situação na região ao longo de vinte e quatro horas, inclusive com a ajuda de meios espaciais e drones.

    O representante da coalizão admitiu a possibilidade de vítimas entre os civis, notando que "o sul de Mossul é uma área muito grande ". Segundo ele, a chefia de operação para libertar a cidade "encara com seriedade" estes dados.

    "No entanto, precisaríamos de informações mais específicas, para perceber se os aviões da coalizão estiveram envolvidos neste suposto incidente. Se autoridades russas têm mais informações sobre esta hipótese, apelamos a compartilhá-las conosco a fim de realizar uma investigação", disse o representante da coalizão.

    Ele acrescentou que as forças internacionais participantes da ofensiva se esforçam por minimizar o risco de vítimas entre civis.

    Entretanto, o representante do Departamento de Estado dos EUA disse que a coalizão não realiza ataques contra civis na área de Mossul. O diplomata aconselhou o jornalista a se dirigir ao Pentágono para obter dados mais específicos.

    Em 16 de outubro de 2016, as Forças Armadas do Iraque, juntamente com outros grupos armados que incluem as formações curdas peshmerga, iniciaram uma ofensiva contra Mossul, considerada uma das duas "capitais" do grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia).

    Tema:
    Ofensiva de Mossul (96)

    Mais:

    EUA ainda não decidiram sobre presença de tropas no Iraque após a batalha por Mossul
    Premiê do Iraque: tropas iraquianas avançam em Mossul
    Iraque nega participação da Turquia na operação de Mossul
    Iraque pode enfrentar mais confrontos religiosos depois da liberação de Mossul
    Tags:
    ofensiva, conflito armado, coalizão internacional, Daesh, Rússia, EUA, Iraque, Mossul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik